Moçambique: Neoen lança construção da central solar Metoro de 41 MWp

O produtor francês independente de energia (IPP) Neoen acaba de lançar a construção da sua central solar fotovoltaica de Metoro na província de Cabo Delgado, no nordeste de Moçambique. Com uma capacidade prevista de 41 MWp, o projeto é financiado pela Proparco, braço do setor privado da Agence Française de Développement (AFD). Os trabalhos estão a ser executados pela portuguesa Efacec Power Solutions.

O lançamento das obras de construção da central solar fotovoltaica de Metoro foi o momento de uma cerimónia que contou com a presença do Presidente da República de Moçambique na sexta-feira, 23 de outubro de 2020. Filipe Nyusi foi assistido por David Izzo, embaixador da França na eSwatini e Moçambique. A presença deste diplomata francês está ligada ao facto de o projecto solar Metoro estar a ser desenvolvido pela empresa parisiense Neoen em França.

O Produtor Independente de Energia (IPP) está a desenvolver o projecto Metoro solar com a sua parceira Electricidade de Moçambique (EDM), no âmbito de uma Parceria Público-Privada (PPP) assinada com as autoridades moçambicanas responsáveis ​​pela área energética.

A Neoen confiou a construção da central solar à Efacec Power Solutions. A empresa, sediada no Porto em Portugal, vai construir a instalação num terreno de 138 hectares na província de Cabo Delgado, no nordeste de Moçambique. Todos os painéis solares instalados no local terão capacidade de 41 MWp. A electricidade vai transitar por uma subestação da empresa pública EDM, através de uma linha de alta tensão a construir pela Efacec.

Financiamento da Proparco

A eletricidade produzida pela central solar de Metoro será vendida à EDM com base num contrato de compra de energia (PPA) de 20 anos. A energia do parque é capaz de abastecer 175.000 famílias moçambicanas, evitando a emissão de 49.000 toneladas de CO2 por ano. Como parte de seu projeto de energia renovável, a Neoen recebeu € 40 milhões em financiamento do Proparco. O braço do sector privado da Agence Française de Développement (AFD) estima que a nova central irá reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em Moçambique, contribuindo assim para o combate às alterações climáticas.

Os benefícios ambientais e sociais deste projecto serão também significativos, “em particular para os habitantes da província de Cabo Delgado” onde 135 000 pessoas poderão ser electrificadas. “A França, através do grupo Agence Française de Développement, tem muito orgulho de participar do financiamento da construção desta usina solar. É importante precisar que o empréstimo da AFD e do Proparco inclui uma parcela concessional, autorizada graças ao esforço financeiro realizado pelo Estado francês, a fim de otimizar a tarifa proposta e apoiar localmente os benefícios ambientais e sociais positivos deste projeto ”, disse David Izzo, Embaixador da França em Moçambique e eSwatini.

Por Jean Marie Takoule

Fonte: Afrik21

Leave a Reply