Blog

Petrobras assina contrato de construção da plataforma P-83

A Petrobras contrato para a construção da plataforma P-83, representante da chamada “Nova Geração” de plataformas da companhia -que possuirão alta capacidade de produção- e como resultado do avanço do projeto de desenvolvimento de Búzios. Esse campo localiza-se no pré-sal da Bacia de Santos e será o maior produtor de óleo do Brasil até 2030, com a produção de até 2 milhões de barris de petróleo por dia (bpd).  

A P-83 poderá produzir até 225 mil bpd de óleo e 12 milhões de m³ de gás por dia, e terá capacidade de estocagem maior do que 1,6 milhão de barris. A plataforma, uma das maiores a operar no Brasil e na indústria de petróleo mundial, será a décima primeira unidade a ser instalada em Búzios. A Petrobras é a operadora desse campo com 92,6% de participação, tendo como parceiras a CNOOC e a CNODC, com 3,7% cada.

A Petrobras contratou a Keppel Shipyard Limited para a sua construção, que será realizada em estaleiros de Singapura, China e Brasil, e atingirá o percentual de conteúdo local de 25%. A P-83 iniciará a sua produção em 2027 e contribuirá para ampliar a capacidade instalada do campo, dos atuais 600 mil bpd para 2 milhões bpd.

Outra característica da chamada “Nova Geração” das plataformas é a incorporação de tecnologias para redução de emissão de carbono. A P-83 utilizará, por exemplo, a chamada tecnologia de flare fechado, que aumenta o aproveitamento do gás e impede que ele seja queimado para a atmosfera, de forma segura e sustentável.  Outra inovação será o sistema de detecção de gás metano, capaz de atuar na prevenção ou mitigação de riscos de vazamentos desse composto.

A plataforma será equipada ainda com a tecnologia de Captura, Uso e Armazenamento geológico de CO2 – o chamado CCUS. A Petrobras é pioneira na utilização dessa tecnologia, que permite aliar aumento da produtividade com redução de emissões de carbono.

Source: agenciapetrobras



Saipem ganhou novos contratos na Costa do Marfim no valor total de aproximadamente 1 bilhão de euros

A Saipem recebeu dois novos contratos na Costa do Marfim no valor total de aproximadamente 1 bilhão de euros. Os contratos foram atribuídos pelo consórcio ENI Cote d’Ivoire-Petroci para o Projeto Baleine Fase 1, para o desenvolvimento do campo de petróleo e gás relativo ao largo da Costa do Marfim, localizado a uma profundidade de água de 1.200m.

O Baleine Prospect representa a maior descoberta comercial do país nos últimos 20 anos e contribuirá para a produção de energia na Costa do Marfim, fortalecendo o papel do país como polo energético regional. A Saipem contribuiu para a descoberta do campo graças às atividades de perfuração dos navios Saipem 10000 e Saipem 12000.

O primeiro contrato envolve as atividades de Engenharia, Aquisição, Construção e Instalação (EPCI) de Umbilicais Submarinos, Risers e Linhas de Fluxo (SURF) e de um gasoduto terrestre para ligação à rede de distribuição.

A instalação offshore de linhas flexíveis, risers e umbilicais será executada pelo navio principal da Saipem FDS2 e o desenvolvimento do projeto será acelerado. O início das operações está previsto para o quarto trimestre de 2022.

O segundo contrato – também desenvolvido com cronograma acelerado – engloba as atividades de Engenharia, Suprimentos, Construção e Comissionamento referentes à reforma da embarcação Firenze FPSO, além de 10 anos de serviços de Operação e Manutenção da embarcação.

A adjudicação de contratos significativos numa nova área com grande potencial como a Costa do Marfim representa um importante reconhecimento do papel da Saipem como empreiteira de excelência para a execução de projetos complexos que requerem a integração de competências de perfuração, engenharia e construção – onshore e offshore – de forma acelerada. Esses contratos também consolidam o posicionamento estratégico da Saipem na África Ocidental.

Saipem é uma plataforma tecnológica e de engenharia avançada para o projeto, construção e operação de infraestruturas e plantas complexas seguras e sustentáveis. A Saipem sempre esteve orientada para a inovação tecnológica e atualmente está empenhada, juntamente com os seus clientes, na linha da frente da transição energética com ferramentas, tecnologias e processos cada vez mais digitalizados que foram concebidos desde o início com a sustentabilidade ambiental em mente. Está listada na bolsa de valores de Milão e opera em 70 países ao redor do mundo com 32 mil funcionários de 130 nacionalidades diferentes.

See More: Saipem








McDermott Selecionado para o Projeto Begonia pela TotalEnergies EP Angola Block 17/06

McDermott International recebeu um contrato significativo da TotalEnergies EP Angola Block 17/06 para engenharia, aquisição, fornecimento, construção, instalação, pré-comissionamento e assistência ao comissionamento e start-up (EPSCI) em seu Projeto Begônia. O campo Begonia está localizado ao largo de Angola em lâmina d’água entre 400 a 750 metros.

O Projeto Begonia coletará hidrocarbonetos de um reservatório, por meio de um tie-back submarino a submarino, a uma unidade flutuante de produção, armazenamento e descarga (FPSO) existente. A McDermott fornecerá todos os serviços EPSCI para umbilicais submarinos, injeção de água e linhas de fluxo de produção. Há três poços de produção no total que são reunidos através de uma linha de fluxo de produção multifásica, com aproximadamente 20 quilômetros de extensão. Os dois poços de injeção de água estão conectados de volta a um riser existente.

A McDermott utilizará sua frota diversificada de embarcações de construção naval especializadas: o North Ocean 102 instalará os umbilicais e o Amazon instalará os dutos rígidos usando seu sistema de dutos J-lay de classe mundial e tecnologia avançada.

“Este prêmio alavanca nossa extensa experiência em águas profundas e submarinas e é uma prova da confiança de nossos clientes em nosso navio Amazon de última geração recém-convertido”, disse Mahesh Swaminathan, vice-presidente sênior de submarinos e águas profundas da McDermott. “O Projeto Begonia representa nosso primeiro projeto submarino em Angola e apoia nosso foco estratégico para aumentar nossa presença na África”.

Como parte do compromisso da empresa com o crescimento e investimento de longo prazo em Angola, McDermott planeja maximizar o uso de fornecedores e subcontratados locais ao longo do projeto e fornecer treinamento para desenvolver uma força de trabalho local.

O gerenciamento e a engenharia do projeto serão executados pelas equipes de McDermott em Londres e Kuala Lumpur, na Malásia. A fabricação será executada localmente em Angola, África Ocidental.

McDermott define um contrato significativo entre US$ 250 milhões e US$ 500 milhões.

Source: McDermott




Shell, EGAS e Petronas concedem o projeto FEED do Idku Energy Hub à coalizão liderada pela Bechtel

Shell Egypt, EGAS e Petronas concederam um contrato de engenharia e design de front-end (FEED) a uma coalizão liderada pela Bechtel que inclui Enppi e Petrojet para estudar um sistema de energia unificado proposto entre a planta de processamento de gás onshore da West Delta Deep Marine ( WDDM) no Mar Mediterrâneo ao largo da costa do Egito e o terminal de exportação de GNL egípcio (ELNG) em Idku, a leste de Alexandria.

O FEED para o projeto Idku Energy Hub explorará os benefícios de um conceito One Power Hub, integrando os sistemas de energia elétrica no WDDM e ELNG, em vez de ter dois sistemas separados. Ele busca aumentar os benefícios de economia de energia e redução de gases de efeito estufa da unificação dos sistemas de energia elétrica das usinas terrestres. As sinergias incluirão a otimização do número de geradores de turbina a gás em funcionamento, modelando o modo de operação mais eficiente para ambas as plantas, reduzindo as emissões de gases de efeito estufa e economizando o consumo de combustível em todo o hub.

Este projeto faz parte de um programa mais amplo entre a coalizão e o Ministério do Petróleo e Recursos Minerais do Egito com o objetivo de descarbonizar as instalações de petróleo e gás existentes em todo o país e cumprir sua estratégia de mudança climática.

“Estou muito orgulhoso de que o setor de petróleo e gás esteja contribuindo significativamente para alcançar os principais objetivos estratégicos: acelerar a descarbonização e economizar no consumo de energia”, disse Sua Excelência o Ministro do Petróleo e Recursos Minerais Eng. Tarek El-Molla. “Estou satisfeito que nossos parceiros estejam tomando essas iniciativas para promover essas prioridades.”

“Este projeto é uma demonstração do nosso compromisso em impulsionar o progresso, fornecendo mais energia e mais limpa”, disse o Eng. Khaled Kacem, vice-presidente e presidente de país da Shell Egypt, disse. “Como parceiros na jornada do Egito para se tornar um centro regional de energia, também estamos mobilizando nossos esforços e conhecimentos para apoiar as ambições de eficiência energética do país. Este também é um passo significativo para a implementação completa do Memorando de Entendimento de descarbonização entre a Shell e o Ministério que foi assinado no início deste ano.”

“Este projeto é um excelente exemplo de parceria do setor público e privado para apoiar a estratégia de descarbonização do Egito”, disse Paul Marsden, presidente da Bechtel Energy. “Nossa equipe da Bechtel está ansiosa para continuar a apoiar a estratégia de mudança climática do Egito.”

A Bechtel, Enppi e Petrojet executarão o FEED de forma acelerada com o objetivo de concluir o escopo de trabalho em 2022. O projeto é um testemunho da excelência operacional nas plantas WDDM e ELNG. A redução das emissões de gases de efeito estufa e a otimização do consumo de combustível e das horas de funcionamento dos equipamentos rotativos aumentarão a produção e reduzirão o custo operacional.

Source: Bechtel 









FEED Engineering Services Contract para o projeto integrado de hidrogénio renovável e amoníaco verde MadoquaPower2X em Sines, Portugal

Maire Tecnimont S.p.A. anuncia que sua subsidiária NextChem recebeu um contrato de serviços de engenharia Pre-FEED pela MadoquaPower2X – o consórcio português/holandês/dinamarquês liderado pela Madoqua Renewables juntamente com o Energy Transition Fund da CIP e Power2X para desenvolver e operar uma fábrica integrada de hidrogénio renovável e amoníaco verde localizada em Sines, Portugal. O acordo foi assinado na Gastech na presença de H.E. João Galamba, Secretário de Estado do Ambiente e Energia – Governo de Portugal. O objetivo dos serviços de engenharia do Pré-FEED inclui estudos iniciais, revisão de tecnologia e processo, análise de modularidade e logística, carregamento inicial da engenharia necessária para realizar o licenciamento e licenciamento do projeto.

O MadoquaPower2X usará energia renovável e 500 MW de capacidade de eletrólise para produzir anualmente 50.000 toneladas de hidrogênio verde, juntamente com a capacidade da planta de amônia verde de até 500.000 kt/ano com até 600.000 t/ano de emissões de CO2 evitadas nesta fase inicial. É o primeiro projeto a ser instalado no futuro pólo energético e tecnológico de Sines com escala industrial. O consórcio está empenhado em desenvolver, instalar e operar o projeto com os mais altos padrões ambientais e de segurança. Estará localizada em Portugal, na zona industrial de Sines – ZILS – e irá gerar crescimento económico com uma atividade classificada como sustentável de acordo com a mais recente Taxonomia da UE. O projeto está orientado para a criação de uma cadeia de valor de transporte de energia de exportação entre o Porto de Sines (Portugal) e os destinos do Noroeste Europeu.

João Galamba, Secretário de Estado do Ambiente e Energia – Governo de Portugal: “A neutralidade climática até 2050 exige decisões ousadas sobre investimentos sustentáveis ​​com foco em objetivos energéticos e climáticos, permitindo ao mesmo tempo a recuperação económica e o MadoquaPower2X em Sines é um bom exemplo disso. Da ambição passamos à ação, e temos o prazer de testemunhar este importante marco para MadoquaPower2X e Maire Tecnimont, confirmando o caminho certo para cumprir as metas que estabelecemos para a transição energética. Parabenizo os parceiros deste projeto pelo empenho e dedicação”.

Alessandro Bernini, CEO do Grupo Maire Tecnimont e NextChem: “Estamos orgulhosos deste acordo com MadoquaPower2X e CIP, pois visa um projeto com um impacto na economia baseada no hidrogénio renovável na Europa. Um projeto desta natureza é um grande exemplo de segurança energética europeia sustentável, ligando o potencial renovável de Portugal às infraestruturas energéticas do Norte da Europa através do hidrogénio verde”.

Rogaciano Rebelo, CEO – Madoqua Renewables: “Estamos entusiasmados em trazer Maire Tecnimont e NextChem para acelerar as fases de licenciamento e engenharia do nosso projeto. O Grupo Maire Tecnimont tem 70 anos de excelência em engenharia e entregou mais de 1.500 usinas químicas e de energia em todo o mundo, demonstrando assim sua capacidade de projetar um projeto complexo de amônia baseado em eletrólise em grande escala”.

A Madoqua Renewables é uma empresa portuguesa de transformação e desenvolvimento industrial focada na transição energética e entrega de ativos de processos industriais de nova geração com foco específico em projetos net zero carbono. A Madoqua Renewables está desenvolvendo ativos de projeto avaliados em € 2 bilhões em toda a cadeia de valor do hidrogênio. A Power2X é uma desenvolvedora de projetos e consultoria de gestão para projetos de transição energética na Europa, África e Oriente Médio. A empresa está sediada em Amsterdã e trabalha com vários parceiros de negócios em novos projetos na transição energética. O foco está em projetos consideráveis ​​em hidrogênio verde e azul, bem como ativos relacionados de conversão, armazenamento e uso final, todos com foco na descarbonização da indústria.

A Copenhagen Infrastructure Partners foi fundada em 2012 e é hoje a maior gestora de fundos dedicada do mundo em investimentos em energia renovável greenfield e líder global em energia eólica offshore. Os fundos administrados pela CIP concentram-se em investimentos em energia eólica offshore e onshore, energia solar fotovoltaica, biomassa e energia a partir de resíduos, transmissão e distribuição, capacidade de reserva e armazenamento e Power-to-X.

A CIP administra dez fundos e até o momento levantou cerca de € 18 bilhões para investimentos em energia e infraestrutura associada de mais de 120 investidores institucionais internacionais. A CIP acelerará seu papel na transição energética global e pretende ter € 100 bilhões sob gestão em investimentos em energia verde em 2030.

Source: Maire Tecnimont

DOF Subsea ganha contratos de US$ 250 milhões para embarcações especializadas offshore no Brasil

A DOF tem o prazer de anunciar que a Petrobras estendeu os contratos e concedeu novos contratos de afretamento e serviços de longo prazo à Norskan Offshore Ltda. e DOF Subsea Brasil Serviços Ltda. para os navios; Skandi Chieftain, Skandi Olympia e Skandi Comandante. Todos os contratos incluem embarcações e ROVs e são por um período de três anos.

Os contratos do Skandi Chieftain e do Skandi Olympia foram estendidos até o final de 2022 e ambos os navios iniciarão os novos contratos de 3 anos. O contrato para o Skandi Commander foi estendido até novembro de 2022, e a embarcação será então utilizada no projeto PIDF para DOF Subsea Brasil em seu contrato atual com a Petrobras até agosto de 2023. A partir daí, a embarcação iniciará seu contrato de 3 anos, combinando ROV e capacidades AUV.

O valor bruto das prorrogações e do período firme dos novos contratos supera US$ 253 milhões. Todos os três novos contratos têm extensões opcionais de 2 anos.

Mons S Aase, CEO, DOF disse: “Estou muito animado com esses novos contratos de IMR com a Petrobras. Juntamente com a já anunciada extensão do projeto PIDF, esses prêmios sustentam nossa posição como líder de mercado em IMR no Brasil. Também estou muito feliz em ver que o Comandante Skandi mobilizará um AUV durante a vigência do contrato”.

Source: dofsubsea



A Saipem conquistou três novos contratos EPC em Angola no valor total de cerca de 900 milhões de USD

A Saipem recebeu três novos contratos (um onshore e dois offshore) pelo New Gas Consortium composto por duas subsidiárias integrais da Azule Energy (Eni Angola Exploration B.V. e BP Exploration (Angola ) Limited), Sonangol P&P, Chevron, TotalEnergies, para as atividades de Engenharia, Aprovisionamento e Construção (EPC) relevantes para o projeto de desenvolvimento dos campos Quiluma e Maboqueiro ao largo da costa noroeste de Angola.

Com um valor global de cerca de 900 milhões de dólares, a Saipem está cuidando da engenharia, aquisição e construção, incluindo assistência de conexão e comissionamento, da plataforma Quiluma e da planta de processamento de gás natural onshore relevante. Isso confirma a confiança dos clientes na Saipem para a execução de projetos complexos em termos de tecnologia e logística, realizados de acordo com o conteúdo local e com os mais altos padrões de sustentabilidade ambiental. Em particular, este é o primeiro projeto realizado em Angola relevante para um campo de “Gás Não Associado”.

A participação nas referidas iniciativas de desenvolvimento na “Bacia do Baixo Congo”, que irá dotar a fábrica de Angola LNG com volumes adicionais de gás tanto para o mercado internacional como para o mercado doméstico, consolida o posicionamento estratégico da Saipem na África Ocidental e em Angola, onde a empresa tem vindo a trabalhar por mais de 40 anos.

Source: Saipem


Masdar assina acordo com TANESCO da Tanzânia para desenvolver capacidade de energia renovável de 2 GW

A Masdar, uma das principais empresas de energia renovável do mundo, anunciou que assinou um acordo com a Tanzania Electric Supply Company Ltd. (TANESCO) relacionado ao desenvolvimento de projetos de energia renovável com capacidade total de até 2 gigawatts (GW).

Abdulla Zayed, Chefe de Desenvolvimento de Negócios e Investimento da Masdar e Maharage Chande, Diretor Administrativo da TANESCO, assinaram o Acordo de Desenvolvimento Conjunto (JDA) à margem do Congresso de Energia da Tanzânia na presença do Exmo. Janeiro Makamba, Ministro da Energia da Tanzânia. A JDA prevê o estabelecimento de uma empresa de joint venture (JV) de co-propriedade pelas duas organizações para progredir no desenvolvimento do projeto.

Maharage Chande, Diretor Executivo da TANESCO, disse: “O acordo que estamos assinando hoje trará uma grande revolução no desenvolvimento de energia renovável no país. Por meio da primeira fase da colaboração, esperamos gerar aproximadamente 600 megawatts e continuaremos com outros projetos até atingirmos 2.000 megawatts.”

Abdulla Zayed, Chefe de Desenvolvimento de Negócios e Investimento da Masdar, disse: “A Masdar e a TANESCO estão trabalhando juntas para apoiar o desenvolvimento sustentável da Tanzânia e fornecer uma fonte segura e limpa de energia para o povo da Tanzânia. A assinatura deste acordo demonstra o compromisso da Masdar com o mercado da Tanzânia e com a transição energética do país, apoiando a meta de atingir 5.000 MW de capacidade até 2025. Esperamos trabalhar com a TANESCO para desenvolver este programa ambicioso e fornecer um caminho limpo para o crescimento para a Tanzânia.”

Por meio da joint venture, as duas empresas visam inicialmente o desenvolvimento de projetos de energia renovável com capacidade de cerca de 600 megawatts (MW), começando com energia solar fotovoltaica (PV) e eólica onshore. A JV irá explorar ainda mais o desenvolvimento de projetos com capacidade total de pelo menos 2.000 megawatts.

A TANESCO, o único fornecedor de eletricidade na Tanzânia, está procurando adicionar mais fontes de energia renovável à rede nacional para atender à crescente demanda de energia do país e aumentar o acesso à energia. O governo da Tanzânia tem como meta uma taxa de eletrificação para todo o país de 75% até 2035.

Source: News.Masdar





Azule Energy, o novo maior produtor independente de petróleo e gás de Angola, inicia operações

A bp e a Eni têm o prazer de confirmar que a Azule Energy, a nova joint venture independente 50/50 que combina os negócios angolanos das duas empresas, foi oficialmente estabelecida.

A Azule Energy é agora o maior produtor independente de petróleo e gás de Angola, detendo 2 bilhões de barris equivalentes de recursos líquidos e crescendo para cerca de 250.000 barris equivalentes por dia (boe/d) de produção de petróleo e gás nos próximos 5 anos. Detém participações em 16 licenças (das quais 6 são blocos de exploração) e uma participação na Angola LNG JV. A Azule Energy vai também assumir a participação da Eni na Solenova, empresa de energia solar detida conjuntamente com a Sonangol, e a colaboração na Refinaria de Luanda.

A Azule Energy possui um forte pipeline de novos projetos que estão programados para entrar em operação nos próximos anos, crescendo organicamente a partir de descobertas de exploração. Estes incluem os projectos petrolíferos Agogo Full Field e PAJ nos Blocos 15/06 e 31 respectivamente, e o New Gas Consortium (NGC), o primeiro projecto de gás não associado no país, que irá apoiar as necessidades energéticas da economia em crescimento de Angola e fortalecer seu papel como exportador global de GNL. A JV também possui uma área de exploração significativa superior a 30.000 quilômetros quadrados nas bacias mais prolíficas de Angola, permitindo-lhe alavancar a proximidade com a infraestrutura existente.

A equipe de liderança da Azule Energy baseia-se na experiência e conhecimento de ambas as empresas-mãe. A equipe de liderança se reportará a um conselho de seis pessoas, composto por três representantes da bp e três representantes da Eni, refletindo a participação acionária da empresa. Todos os colaboradores da bp Angola e da Eni Angola juntaram-se à Azule Energy.

A Eni e a bp partilham objetivos comuns para a Azule Energy na concretização de ambições ambientais e de sustentabilidade. Eles acreditam que a combinação de seus esforços criará operações mais eficientes e oferecerá potencial para aumento do investimento, criação de empregos e crescimento em Angola. Eles antecipam que o novo modelo operacional independente e integrado da Azule Energy proporcionará economias de custos significativas, principalmente de sinergias operacionais em logística e tecnologia.

Source: BP






Yinson fecha acordo de exclusividade com a Bp para reserva do FPSO Nganhurra para projeto PAJ em Angola

A Yinson, através da sua subsidiária Yinson Acacia Ltd, através da sua subsidiária Yinson Acacia Ltd, celebrou um contrato de exclusividade com a bp Exploration (Angola) Limited (“bp”), enquanto operadora do Grupo Empreiteiro do Bloco 31 (o “Contrato”) para a reserva do FPSO Nganhurra, uma embarcação flutuante de armazenamento e descarregamento de produção (“FPSO”) para uso nos 10 poços submarinos propostos pela bp nos Campos de Petróleo Palas, Astrea e Juno (“Projeto PAJ”) com base no Bloco 31, Angola.

Nos termos do Contrato, Yinson alocará exclusivamente o FPSO Nganhurra à bp para o Projeto PAJ até 31 de dezembro de 2022, com opção de prorrogação da bp até 30 de junho de 2023, enquanto as partes negociam um contrato para converter, operar, manter e arrendar o FPSO para o PAJ projeto (o “Contrato de Arrendamento e Operação”). O Contrato de Locação e Operação, que deverá incluir um prazo fixo de 10 anos, deverá ser executado até o final de 2024, após a bp chegar à decisão final de investimento.

A Yinson detém uma opção de compra exclusiva do FPSO Nganhurra até 30 de junho de 2023 com seus proprietários, Woodside Energy e Mitsui E&P Australia Pty Ltd, com opção de Yinson de estender essa opção de compra exclusiva até 31 de dezembro de 2023.

O CEO da Yinson Production, Flemming Grønnegaard, comentou: “Este Contrato enfatiza a posição da Yinson como a contratada preferencial na execução de projetos de redistribuição de FPSO, que têm vantagens significativas de capex e cronograma, para players estabelecidos de petróleo e gás, como bp. Concluímos recentemente dois projetos de redistribuição bem-sucedidos, que são o FPSO Abigail-Joseph e o FPSO Helang, e o Grupo está atualmente envolvido em uma entrega de redistribuição para o FPSO Atlanta. Estamos confiantes de que nosso histórico, conhecimento técnico e experiência neste setor irão apoiar e atender às necessidades de negócios da bp.”

O FPSO Nganhurra tem capacidade de produção de 100.000 barris de petróleo por dia e foi construído pela Samsung em 2006. O FPSO, que operou no campo Enfield na Austrália até o outono de 2018, está atualmente instalado fora de Labuan, na Malásia.

Source: Yinson