Blog

TechnipFMC recebe contrato substancial de serviços submarinos offshore no Brasil pela Petrobras

A TechnipFMC recebeu um substancial acordo principal de serviços (MSA) para serviços submarinos com a Petrobras. O contrato de três anos tem opção de prorrogação por mais dois anos.

A TechnipFMC fornecerá serviços de vida em campo para apoiar sua base instalada offshore no Brasil. O contrato cobre a instalação, intervenção e manutenção de equipamentos e ferramentas, bem como suporte técnico para umblicais submarinos, risers e linhas de fluxo.

O acordo sucede um MSA anterior e suporta o aumento do volume de operações da Petrobras. Os serviços serão fornecidos a partir da base da TechnipFMC em Macaé, Brasil. Jonathan Landes, presidente de Subsea da TechnipFMC, comentou: “Esta nova MSA dá continuidade à nossa parceria duradoura com a Petrobras. Estamos muito satisfeitos em continuar este relacionamento por meio deste prêmio direto. Há 40 anos prestamos serviços a partir de Macaé, demonstrando a força do nosso compromisso de prestação de serviços com mão de obra nacional.”


Source: TechnipFMC 

Brasil: Lançamento do Projeto Lapa Sudoeste

A TotalEnergies aprovou a decisão final de investimento do desenvolvimento petrolífero Lapa South-West localizado na Bacia de Santos, a 300 km da costa do Brasil. A TotalEnergies opera o projeto com 45% de participação, em parceria com a Shell (30%) e a Repsol Sinopec (25%). O Lapa South-West será desenvolvido através de três poços, conectados ao existente Lapa FPSO localizado a 12 km de distância e atualmente produzindo a parte nordeste do campo da Lapa desde 2016.

No início da produção, previsto para 2025, a Lapa South-West aumentará a produção do campo da Lapa em 25.000 barris de petróleo por dia, elevando a produção total para 60.000 barris de petróleo por dia.

Esse desenvolvimento representa um investimento de aproximadamente US$ 1 bilhão. “Este último desenvolvimento é um marco importante para a TotalEnergies no Brasil, que aumentará sua produção operada no pré-sal da Bacia de Santos, uma área de crescimento importante para a empresa”, afirmou David Mendelson, vice-presidente sênior para as Américas da TotalEnergies Exploration & Production. “ Com sua abordagem de engenharia eficiente e sinergias com as instalações existentes, este projeto ilustra a estratégia da TotalEnergies de focar em ativos de baixo custo e baixas emissões”.

Source: TotalEnergies 





Eni anuncia uma nova descoberta de gás no Mar Mediterrâneo Oriental, na costa do Egito

A Eni anuncia uma nova descoberta significativa de gás no poço de exploração Nargis-1 localizado na Concessão da Área Offshore de Nargis, no Mar Mediterrâneo Oriental, na costa do Egito. O poço Nargis-1 encontrou aproximadamente 200 pés líquidos (61 m) de arenitos portadores de gás do Mioceno e Oligoceno e foi perfurado em 1.014 pés (309 m) de água pelo navio de perfuração Stena Forth. A descoberta pode ser desenvolvida aproveitando a proximidade das instalações existentes da Eni.

Nargis-1 confirma a validade do foco da Eni no Egito Offshore, que a empresa irá desenvolver graças à recente adjudicação dos blocos de exploração North Rafah, North El Fayrouz, North East El Arish, Tiba e Bellatrix-Seti East. A concessão da área offshore de Nargis no Egito é de aproximadamente 445.000 acres (1.800 quilômetros quadrados). Chevron Holdings C Pte. Ltd. é a operadora com uma participação de 45%, enquanto a Afiliada IEOC Production BV, de propriedade total da Eni, detém 45% e a Tharwa Petroleum Company SAE detém uma participação de 10%.

A Eni está presente no Egito desde 1954, onde opera através da subsidiária IEOC. A empresa é atualmente a maior produtora do país com uma produção de hidrocarbonetos de aproximadamente 350.000 barris de óleo equivalente por dia. Em linha com a estratégia net-zero até 2050, a Eni está engajada em uma série de iniciativas destinadas a descarbonizar o setor de energia egípcio, incluindo o desenvolvimento de usinas CCS, usinas de energia renovável, matéria-prima para biorrefinação e outras.

Source: Eni

PARCERIA ENI-SNAM PARA GAS ODUTOS ENTRE ARGÉLIA E ITÁLIA FINALIZADA

O fechamento a aquisição pela Snam de 49,9% da participação acionária direta e indiretamente detida pela Eni nas empresas que operam dois grupos de gasodutos internacionais que ligam a Argélia à Itália. Mais especificamente, o escopo da transação inclui os gasodutos onshore que vão das fronteiras da Argélia e da Tunísia até a costa da Tunísia (TTPC) e os gasodutos offshore que ligam a costa da Tunísia à Itália (TMPC).

Estas participações de propriedade foram transferidas pela Eni para uma nova empresa (SeaCorridor S.r.l.), da qual a Snam adquiriu 49,9% do capital social, enquanto os restantes 50,1% continuam a ser detidos pela Eni. A Eni e a Snam exercerão o controle conjunto da SeaCorridor sob acordos de governança conjunta.

Estas participações de propriedade foram transferidas pela Eni para uma nova empresa (SeaCorridor S.r.l.), da qual a Snam adquiriu 49,9% do capital social, enquanto os restantes 50,1% continuam a ser detidos pela Eni. A Eni e a Snam exercerão o controle conjunto da SeaCorridor sob acordos de governança conjunta. A Snam pagou à Eni um valor total de cerca de 405 milhões de euros na transação . A transação alavanca as respectivas áreas de especialização da Eni e da Snam no transporte de gás em uma rota estratégica para a segurança do suprimento de gás natural da Itália, permitindo potenciais iniciativas de desenvolvimento dentro da cadeia de valor do hidrogênio também graças aos recursos naturais que o norte da África tem a oferecer.

A ligação Norte de África – Europa é um elemento chave da descarbonização progressiva a nível internacional em apoio à transição energética. A transação obteve as autorizações previstas na legislação antitruste e na chamada legislação do poder dourado, o consentimento do governo da Tunísia, bem como a aprovação dos acionistas e órgãos sociais das várias empresas-alvo.

Source: Eni

QATARENERGY GANHA INTERESSE DE TRABALHO EM NOVO BLOCO EXPLORATIVO OFFSHORE BRASILEIRO

A QatarEnergy, em consórcio com a TotalEnergies e a Petronas, conquistou o Contrato de Partilha de Produção (PSC) Água-Marinha, no âmbito do 1º Ciclo de Oferta Permanente, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural do Brasil, e Biocombustíveis (ANP). Nos termos do PSC e acordos associados, a QatarEnergy terá uma participação de 20%, ao lado da operadora Petrobras (30%), TotalEnergies (30%) e Petronas Petroleo Brasil Ltda. (20%).

O bloco Água-Marinha tem uma área total de 1.300 km2 e está localizado em lâmina d’água de cerca de 2.000 metros na costa do Rio de Janeiro, na prolífica Bacia de Campos.

Comentando nesta ocasião, Sua Excelência o Sr. Saad Sherida Al-Kaabi, o Ministro de Estado para Assuntos de Energia, o Presidente e CEO da QatarEnergy disse: “Temos o prazer de alcançar esta última licitação conjunta bem-sucedida, que adiciona mais áreas altamente prospectivas ao nosso portfólio upstream no Brasil, e particularmente na prolífica Bacia de Campos.”

Sua Excelência o Ministro Al-Kaabi acrescentou: “Estamos muito satisfeitos por alcançar este sucesso com nossos valiosos parceiros Petrobras, TotalEnergies e Petronas. Aproveito esta oportunidade para agradecer à ANP e às autoridades brasileiras por esta oportunidade e por seu apoio contínuo.”

A aquisição, que deve ser concluída no primeiro semestre de 2023, estabelece ainda mais a QatarEnergy como uma das principais empresas de upstream no Brasil, onde já detém participações em dois campos produtores e vários blocos de exploração.

Source: QatarEnergy 



ENHL Bonatti assina contratos no Projeto de Desenvolvimento PSA

A ENHL Bonatti tem o prazer de anunciar que foi adjudicado pela Sasol Petroleum Mozambique (SPM) três contratos de construção separados para o Projecto de Desenvolvimento do Acordo de Partilha de Produção (PSA) localizado em Temane e Inhassoro, Província de Inhambane.

Os pacotes de trabalho, compreendendo as instalações de produção PSA e modificações CPF (escopo IBL) e as instalações e linhas de fluxo PSA Well Pad Surface (escopo OBL), estão atualmente em execução e serão concluídos em aproximadamente dois anos para permitir o fornecimento de novos volumes de gás natural para geração de energia e produção de GLP para consumo doméstico.

A ENHL Bonatti está a trabalhar sob a gestão e supervisão dos empreiteiros EPCm nomeados Amec Foster Wheeler Mozambique (WOOD Plc) e VGI Consulting Africa para entregar o seguinte:

Trabalhos de Preparação do Local e Estrutural, Mecânica, Tubulação, Elétrica e Instrumentação (SMPEI) para uma nova instalação de produção integrada de gás e petróleo.

A primeira empreitada inclui: desobstrução de terreno, construção de vias de acesso, terraplenagem, construção de valas e canais de drenagem de águas pluviais, vedações e obras civis de instalações temporárias.

O segundo contrato inclui: fabricação e montagem de estruturas, pipe racks e plataformas de acesso; fabricação e instalação de tubulações e suportes de tubulações, incluindo pintura, isolamento quente e frio e proteção contra incêndio; Instalação de equipamentos mecânicos como vasos, bombas, trocadores de calor, etc. Instalação de racks de cabos, painéis de controle, puxamento e colocação de cabos, conexão de equipamentos de campo e instalação de aterramento, instalação de gabinetes de rede, caixas de junção, instrumentos de emissão livre, cabeamento e tubos, etc.

Construção de infraestruturas associadas aos novos desenvolvimentos de instalações de superfície Well Pad nos campos de Inhassoro e Temane (dos quais 9 Well Pads com poços simples e 2 com poços duplos) três novos desenvolvimentos de decolagem futura em áreas de junção existentes, dois desenvolvimentos de novos manifolds, vários tie-ins para dutos e tubulações existentes e um conjunto de válvulas de linha principal. O escopo do trabalho inclui atividades civis, estruturais, mecânicas, tubulações, elétricas e de instrumentação.

Source: Bonattinternational





BP recebe novos blocos de exploração no Delta do Nilo Offshore no Egito

A bp conquistou dois blocos de exploração no Mar Mediterrâneo, na costa do Egito, pela Egypt Natural Gas Holding Company. A área offshore de Northwest Abu Qir – na qual a bp, a operadora, detém 82,75% e a Wintershall-Dea detém 17,25% – está localizada a oeste do recém-adjudicado bloco North King Mariout (bp 100%) e ao norte do campo Raven. Abrange uma área de aproximadamente 1038 quilômetros quadrados com profundidades de água variando entre 600 metros e 1600 metros.

O bloco Bellatrix-Seti Leste – no qual a bp e a operadora Eni detêm 50% cada uma – está localizado a oeste do campo Atoll e dos blocos North Tabya. Abrange uma área de aproximadamente 3440 quilômetros quadrados com profundidades de água variando entre 100 metros e 1200 metros.

Anja-Isabel Dotzenrath, vice-presidente executiva de gás e energia de baixo carbono da bp, disse: “O Egito é importante há muito tempo para a bp com quase 60 anos de parceria de sucesso e mais de US$ 35 bilhões investidos. Agora esperamos um futuro ainda mais bem-sucedido, continuando a ajudar a atender às crescentes necessidades de energia do Egito, fornecendo suprimentos de gás com preços competitivos e apoiando o Egito durante a transição energética, explorando oportunidades de crescimento em hidrogênio, por exemplo”.

Karim Alaa, presidente regional da bp, Egito, Argélia e Líbia, acrescentou: “Recebemos quatro novos blocos de exploração e uma extensão de bloco em 2022, que oferecem potencial para descobertas de gás que podem ser desenvolvidas usando a infraestrutura existente. A aquisição dessa área faz parte de nossa estratégia para manter uma taxa de produção de platô de longo prazo”.

Além dos dois novos blocos, em 2022 pb também foram adjudicados: King Mariout Offshore Area (100% bp), North El Fayrouz offshore area (50% pb e 50% Eni, a operadora) e a extensão da área North El Tabya ( 100% pb).

Source: BP




JGC recebe contrato FEED para projeto flutuante de GNL na Nigéria

A JGC Holdings Corporation (Diretor Representativo, Presidente e CEO Masayuki Sato) anunciou que a JGC Corporation (Diretor Representativo e Presidente Farhan Mujib), que opera os negócios de engenharia, aquisição e construção (EPC) no exterior do Grupo JGC, em parceria com a Technip Energies, recebeu o contrato para a engenharia e projeto de front-end (FEED) do projeto de instalação de gás natural liquefeito flutuante (FLNG) na República Federal da Nigéria, iniciado pela UTM FLNG Limited.

No ano passado, a UTM Offshore Limited, uma empresa privada nativa que atua principalmente na venda de petróleo bruto e fornecedora estabelecida de serviços de apoio logístico marítimo para o setor de petróleo e gás, sendo a controladora da UTM FLNG Limited, concedeu o contrato para os serviços de projeto conceitual para a JGC Corporation. Consequentemente, o consórcio da JGC Corporation e Technip Energies recebeu agora o contrato para o FEED de uma planta de FLNG produzindo 1,2 milhão de toneladas por ano de GNL e outros produtos, incluindo GLP e condensado, com data de conclusão do FEED prevista para dezembro de 2023 .

A JGC Corporation será a principal responsável pelo projeto do topside (instalações de produção de GNL), enquanto a Technip Energies será responsável pelo projeto do casco e do sistema de ancoragem.

Acreditamos que este prêmio reflete devidamente a satisfação do cliente com o projeto conceitual realizado pela JGC Corporation, bem como o excelente histórico e capacidade de execução de projetos do Grupo JGC e Technip Energies na área de FLNG. Após a conclusão do FEED, a fase de engenharia, aquisição e construção (EPC) está prevista e, se realizada, esta será a primeira instalação de FLNG na Nigéria e um projeto marcante para o país.

Existem inúmeros campos de petróleo e gás offshore de pequena escala não desenvolvidos, não apenas na Nigéria, mas também em outros países africanos, com vários projetos planejados, incluindo plantas FLNG.

A JGC Corporation entregou o EPC para duas dessas instalações FLNG: para PETRONAS na Malásia e junto com Technip Energies para Coral FLNG SA em Moçambique. Por meio do projeto UTM FLNG, pretendemos expandir nossos negócios na África, com expectativa de crescimento no futuro, e contribuir para o maior desenvolvimento da indústria e infraestrutura.

Source: JGC





Saipem concedeu novos contratos de perfuração offshore no Oriente Médio e África Ocidental no valor de aproximadamente 800 milhões de dólares

A Saipem recebeu novos contratos de perfuração offshore, três no Oriente Médio e dois na África Ocidental por um valor total de aproximadamente 800 milhões de dólares. Este valor é considerado líquido dos custos de arrendamento das embarcações utilizadas para as obras

No Oriente Médio, foram concedidos dois novos contratos para duas unidades de perfuração Jack-Up de alta especificação, Perro Negro 12 e Perro Negro 13, afretadas por terceiros para atividades de perfuração e recondicionamento nos projetos específicos. A duração das operações será de cinco anos mais dois anos opcionais para a primeira unidade e três anos mais um ano opcional para a segunda unidade. Ambos os projetos estão programados para começar entre o terceiro e o quarto trimestre de 2023. O terceiro contrato abrange a extensão de cinco anos para um contrato existente para a unidade Jack-Up de alta especificação Sea Lion 7, unidade de perfuração autoelevatória altamente versátil capaz para operar até 375 pés de profundidade de água.

Na África Ocidental, a Saipem recebeu dois contratos no segmento de águas ultraprofundas para operações de perfuração com o navio-sonda Saipem 12000 de sexta geração. O primeiro contrato foi concedido pela Eni Cote d’Ivoire para as operações de perfuração offshore da Costa do Marfim, que devem começar no quarto trimestre de 2022 e estender as atividades atuais da sonda na área de cerca de seis meses.

O segundo contrato foi adjudicado pela Azule Energy para perfuração, conclusão e teste de poços de desenvolvimento e exploração offshore de Angola no Bloco 15/06 operado pela Eni Angola S.p.A. O contrato terá a duração necessária para perfurar e completar 12 poços firmes (com duração estimada de 26 meses) e incluem a possibilidade de prorrogação por prazo facultativo. O projeto está programado para começar em 2023 em continuidade com os trabalhos anteriores da sonda na África Ocidental.

Esses prêmios de longo prazo no Oriente Médio confirmam a estratégia da Saipem para esta área chave para seus negócios e os prêmios na África Ocidental garantem a continuidade das operações em linha com a estratégia da Saipem para o mercado de águas ultraprofundas nesta área.

Com os contratos anunciados, desde o início de 2022 a Saipem recebeu novos contratos no segmento de perfuração offshore por um valor total de cerca de 1,6 bilhão de euros equivalente. Saipem é uma plataforma tecnológica e de engenharia avançada para o projeto, construção e operação de infraestruturas e plantas complexas seguras e sustentáveis. A Saipem sempre esteve orientada para a inovação tecnológica e atualmente está empenhada, juntamente com os seus clientes, na linha da frente da transição energética com ferramentas, tecnologias e processos cada vez mais digitalizados que foram concebidos desde o início com a sustentabilidade ambiental em mente. Está listada na bolsa de valores de Milão e opera em 70 países ao redor do mundo com 32 mil funcionários de 130 nacionalidades diferentes.

Source: Saipem



A primeira carga de GNL de Moçambique parte do Coral Sul FLNG, ao largo da bacia do Rovuma

A Eni, na qualidade de Operador Delegado do projeto Coral Sul em representação dos seus Parceiros da Área 4 (ExxonMobil, CNPC, GALP, KOGAS e ENH), informa que o primeiro carregamento de gás natural liquefeito (GNL) produzido a partir do campo de gás Coral, nas águas ultraprofundas da Bacia do Rovuma, acaba de sair da instalação de Gás Natural Liquefeito Flutuante Coral Sul (FLNG).

O CEO da Eni, Claudio Descalzi, comentou que “O primeiro carregamento de GNL do projeto Coral South, e de Moçambique, é um novo e significativo passo em frente na estratégia da Eni de alavancar o gás como fonte que pode contribuir de forma significativa para a segurança energética da Europa, através da crescente diversificação da oferta, ao mesmo tempo que apoia uma transição justa e sustentável. Continuaremos a trabalhar com os nossos parceiros para garantir a valorização atempada dos vastos recursos de gás de Moçambique”.

Coral South é um projeto de referência para a indústria e coloca Moçambique firmemente no cenário global de GNL. O projeto, sancionado em 2017, entra em operação após apenas 5 anos, em linha com o orçamento e cronograma iniciais, apesar das interrupções causadas pela pandemia de Covid. Este resultado foi possível graças à abordagem faseada e paralelizada distinta da Eni, um planeamento de execução muito eficaz e o forte empenho de todos os parceiros e o apoio inabalável do Governo de Moçambique. A Coral Sul FLNG tem capacidade de liquefação de gás de 3,4 milhões de toneladas por ano e produzirá GNL a partir dos 450 bilhões de metros cúbicos de gás do reservatório Coral.

Source: Eni