Blog

ACCIONA Energía entra no Brasil com 850MW em projetos eólicos

A ACCIONA Energía, maior empresa mundial de eletricidade 100% renovável sem legado fóssil, assinou acordo com a Casa dos Ventos, maior grupo de investimentos em energias renováveis ​​do Brasil, para aquisição de dois projetos eólicos em desenvolvimento (Sento Se I e II ) no estado da Bahia (Brasil). A potência cumulativa máxima combinada de ambos os projetos é 850 MW. A operação está sujeita ao cumprimento de determinadas condições e à aprovação obrigatória das autoridades da concorrência.

Os parques eólicos Sento Se I e II ainda estão em processo de obtenção de todos os trâmites e autorizações necessários para sua execução. Uma vez obtido – previsivelmente no próximo ano – a ACCIONA Energy poderá aprovar o investimento e iniciar a construção. A execução completa de ambos os parques envolveria um investimento estimado de € 800 milhões.

A compra dos dois projetos em desenvolvimento na Bahia representa o primeiro passo para a entrada da ACCIONA Energía no mercado brasileiro de geração renovável. A empresa explora outros projetos eólicos e fotovoltaicos no país com o objetivo de ser um agente ativo no processo de transição energética de longo prazo e contribuir para a descarbonização da economia e da atividade empresarial.

Com esta transação, a ACCIONA Energía ampliará seu portfólio de projetos em desenvolvimento e sua diversificação geográfica para impulsionar seus planos de crescimento. A concessionária estabeleceu a meta de dobrar de tamanho e atingir 20 GW de potência instalada até 2025, a partir de um portfólio de projetos de 9,8 GW em desenvolvimento avançado, aos quais serão agregados 850 MW de energia eólica no estado da Bahia.

Source: ACCIONA

Primeiro-ministro da Papua Nova Guiné oferece ramo de oliveira a grandes empresas de petróleo

Depois de dois anos pressionando por uma fatia maior dos benefícios dos projetos de gás em Papua Nova Guiné e atrasando novos desenvolvimentos, o primeiro-ministro James Marape disse na quarta-feira que espera que o país continue sendo um grande exportador de GNL para décadas.

O governo de Marape no início deste ano retomou as negociações com a Exxon Mobil Corp (XOM.N) em um acordo para desenvolver o campo de gás P’nyang depois que as negociações fracassaram no final de 2019, quando o gigante dos EUA se recusou a concordar com os termos que o governo buscava.

Na quarta-feira, ele deu uma nota conciliatória, destacando como a economia da PNG era dependente da mineração e do petróleo, que juntos representam a maior parte de suas exportações, e prometeu segurança de investimento em um país.

“Papua-Nova Guiné não é um lugar para temer no que diz respeito ao seu investimento em dólares”, disse Marape à Conferência de Mineração e Investimento da PNG, falando de Port Moresby. O campo P’nyang está programado para alimentar a planta PNG LNG da Exxon depois que suas fontes de gás atuais acabarem.

O diretor administrativo da Exxon em PNG, Peter Larden, disse que a empresa continua comprometida em chegar a um acordo com o governo para desenvolver o campo, mas não deu prazo para fechar um negócio. Ele elogiou Marape e outros altos funcionários do governo “por tomar uma série de medidas positivas para se alinhar com as partes interessadas neste importante desenvolvimento”.

Marape disse que a Exxon e a TotalEnergies (TTEF.PA), que está desenvolvendo o projeto Papua LNG, estarão no país nos próximos 20 ou 30 anos. Larden disse que o projeto P’nyang e o projeto Papua LNG, do qual é parceiro da TotalEnergies and Oil Search (OSH.AX), poderiam investir mais de US $ 18 bilhões na nação insular do Pacífico ao longo de uma década.

“Nosso plano de desenvolvimento transforma P’nyang em fases após o projeto Papua LNG, o que poderia resultar em quase uma década de atividade de construção contínua … e potencialmente mais de 65 bilhões de kina investidos nesse período”, disse Larden na mesma conferência.

O projeto Papua LNG envolverá a produção de gás dos campos de Elk e Antelope para alimentar duas novas unidades de resfriamento de gás, chamadas trens, no local de PNG LNG.

Source: reuters






Wärtsilä contratou o fornecimento de três usinas de energia de balanceamento térmico flexível totalizando 150 MW para o Brasil

O grupo de tecnologia Wärtsilä fornecerá ao Brasil três usinas a gás com potência combinada de 150 MW. A adjudicação do contrato resultou de um Leilão de Capacidade de Reserva organizado pelo Ministério das Minas e Energia em outubro. As plantas serão entregues em uma base rápida e estão programadas para entrar em operação no segundo trimestre de 2022. Os pedidos foram feitos por empresas detidas por fundos administrados pelo BTG Pactual Asset Management e estão incluídos na entrada de pedidos da Wärtsilä no quarto trimestre de 2021 .

A eletricidade produzida pelas usinas de balanceamento térmico será fornecida à rede elétrica nacional garantindo a confiabilidade do sistema, por exemplo, em épocas de condições climáticas adversas. Os contratos incluem um total de 16 grupos geradores a gás Wärtsilä 20V34SG de partida rápida e flexível. Os projetos serão entregues na modalidade Engenharia, Aquisição e Construção (EPC) com base nas usinas existentes UTE Luiz Oscar Rodrigues de Melo e UTE Viana 1, bem como na nova usina UTE Povoação 1, todas localizadas no Espírito Santo , um estado da Região Sudeste do Brasil.

As usinas a gás Wärtsilä operam com gás natural, o combustível fóssil mais limpo disponível. Eles apresentam alta eficiência em qualquer carga, fornecendo níveis de eficiência da planta de até 50 por cento em ciclo simples e até 54 por cento em modo de ciclo combinado. Sua flexibilidade incomparável é destacada pelo fato de que eles podem atingir a potência de saída total poucos minutos após o sinal de partida, o que é um benefício essencial em sistemas que desejam integrar níveis mais elevados de energia renovável.

As usinas elétricas flexíveis com motores a gás Wärtsilä podem utilizar gás natural, GLP, combustíveis sintéticos e vários biogás. As centrais elétricas que funcionam inicialmente com gás natural podem passar a funcionar com combustíveis descarbonizados sustentáveis ​​à medida que essas fontes se tornam disponíveis. Esse recurso à prova de futuro alivia o risco dos investimentos feitos hoje, tornando-se ativos perdidos mais tarde.

“Nossa presença no Brasil é longa e sólida. Com estes projetos estamos nos aproximando da importante marca de 3 GW de base instalada no país e continuamos atendendo às necessidades em evolução de nossos clientes. Oferecemos a melhor tecnologia da categoria para otimização de energia. A alta eficiência dos motores Wärtsilä, com seus rápidos aumentos de potência, em questão de minutos em vez de horas ou dias, fornecem a flexibilidade e confiabilidade necessárias no mercado de energia atual, que está cada vez mais se voltando para as energias renováveis ​​”, diz Håkan Agnevall , Presidente e CEO da Wärtsilä Corporation.

A Wärtsilä é reconhecida por sua capacidade de fornecer projetos de EPC acelerados e as demandas por entregas de EPC estão crescendo rapidamente na América do Sul. A demanda por conformidade regulatória está se acelerando, assim como as preocupações com o meio ambiente e o bem-estar das comunidades locais, e a Wärtsilä tem décadas de experiência no atendimento a esses requisitos.

A Wärtsilä Brasil foi fundada em 1990 e tem operações no Rio de Janeiro e Manaus com uma oferta completa cobrindo toda a gama do portfólio de equipamentos da Wärtsilä. Até o momento, a Wärtsilä entregou 2,7 GW de capacidade de usina de energia no Brasil, dos quais 739 MW estão atualmente cobertos pelos contratos de serviço de longo prazo da Wärtsilä. A Wärtsilä também converteu 275 MW de capacidade movida a óleo para funcionar com gás natural no Brasil.

O Leilão de Capacidade de Reserva Brasileiro garantirá, por meio da contratação de energia de reserva, a confiabilidade do sistema para os próximos anos.

Source: Wärtsilä 

A Sasol pretende começar a produzir hidrogênio verde em Sasolburg a partir do ano de 2023

Grupos de energia e produtos químicos Sasol pretendem começar a produzir 6 t / dia de hidrogênio verde em suas instalações em Sasolburg até 2023, relata o VP para mudanças climáticas Shamini Harrington. Em uma apresentação feita durante o Fórum do Hidrogênio Verde da África, Harrington disse que o hidrogênio verde seria produzido usando uma combinação de 60 MW de eletricidade renovável e ativos existentes, incluindo ativos de eletrolisador existentes.

O hidrogênio verde é produzido usando eletricidade renovável para dividir a água, por meio de um eletrolisador, em hidrogênio e oxigênio. O hidrogênio seria usado em cadeias de valor domésticas estabelecidas na indústria e no transporte de cargas pesadas, bem como para fornecer geração de eletricidade de reserva.

Harrington disse que o grupo listado no JSE visa usar os projetos para incubar a demanda local por hidrogênio verde e posicionar a África do Sul para participar do mercado global de exportação de hidrogênio verde e produtos derivados.

No seu complexo maior em Secunda, a Sasol procuraria reaproveitar progressivamente a instalação para produzir produtos sustentáveis, incluindo combustíveis de aviação sustentáveis ​​(SAF).
Um inicial de 400 MW de eletricidade renovável seria desenvolvido para apoiar a produção do hidrogênio verde necessário para produzir 15.000 t / ano de SAF por meio de seu processo Fischer-Tropsch.

Em 2040, a apresentação de Harrington mostrou, 15 GW poderiam ser implantados para produzir SAF a uma taxa anual de 2,5 milhões de toneladas. Em paralelo, a Sasol buscaria projetos greenfield na África do Sul e no “cinturão solar” da Namíbia, inclusive dentro de uma zona econômica especial a ser desenvolvida em Boegoebaai, no Cabo Setentrional, e 20 km ao sul da fronteira com a Namíbia.

Apelidando-o de um “projeto farol”, Harrington disse que Boegoebaai poderia emergir como um centro de produtos de hidrogênio verde, capaz de produzir 400.000 t / ano de produto.

Source: Miningweekly





Siemens Energy garante grande pedido para o maior complexo de GNL para energia da América Latina

A Siemens Energy fechou contrato para a construção turnkey da usina de ciclo combinado UTE GNA II no projeto integrado LNG-to-Power GNA II, localizado no Porto do Açu, no estado do Rio de Janeiro. A construção da usina já está em andamento. O cliente é a empresa do projeto Gás Natural Açu (GNA). Após o comissionamento bem-sucedido de GNA I no verão de 2021, GNA II será a segunda usina de ciclo combinado turnkey que a Siemens Energy construirá no centro termelétrico e adicionará capacidade adicional de 1,7 gigawatts (GW). Com uma capacidade combinada de 3 GW, as duas usinas serão capazes de fornecer eletricidade suficiente para o consumo de cerca de 14 milhões de residências. O segundo pedido vem com a primeira aplicação da turbina a gás classe HL altamente eficiente no Brasil. As usinas de ciclo combinado movidas a gás natural liquefeito (GNL) serão as termelétricas mais eficientes da América Latina. O valor total do projeto é de aproximadamente € 1 bilhão.

O escopo da Siemens Energy prevê a entrega de toda a ilha de energia, que consiste em três turbinas a gás classe HL de alta eficiência, uma turbina a vapor, quatro geradores elétricos e três geradores a vapor com recuperação de calor (HRSG), além de sistemas de instrumentação e controle. Os serviços oferecidos pela Siemens Energy cobrirão também a operação e manutenção de longo prazo (O&M) da planta, incluindo monitoramento remoto avançado e diagnóstico pelo Centro Remoto de Operação, localizado em Jundiaí, São Paulo. A usina está sendo construída em conjunto com a parceira do consórcio Andrade Gutierrez que fornecerá as obras civis, a infraestrutura e as obras de ereção.

“Nossa participação neste projeto excepcional reforça como nossa abordagem abrangente de LNG-to-Power aumenta o valor para nossos parceiros e também atende à necessidade de energia acessível e confiável”, disse Jochen Eickholt, membro do Conselho Executivo da Siemens Energy AG. “Esse projeto é estratégico, não só pela grandiosidade, mas também pela localização geográfica, próximo aos dois principais sistemas de gasodutos do Brasil, nas regiões Nordeste e Sudeste do país. E não se esqueça: nossas turbinas a gás para GNA II estão prontas para queimar hidrogênio no futuro. Isso significa que nossa tecnologia é preparada para o futuro para nossos clientes ”, acrescentou Eickholt.

O projeto de Gás Natural do Açu inclui a construção de duas usinas termelétricas, além de um terminal de regaseificação de GNL, baseado em uma FSRU (Unidade Flutuante de Regaseificação de Armazenamento), além de subestações e linhas de transmissão para interligar as usinas ao Sistema Interligado Nacional. O complexo termelétrico faz parte do Pólo do Açu Gás, projeto em desenvolvimento no Complexo Portuário do Açu que visa oferecer uma solução logística para o recebimento, processamento, conversão em energia elétrica e transporte do gás natural nas bacias de Campos e Santos, bem como para importar e armazenar GNL. Uma segunda fase compreenderá projetos de energia térmica adicionais sob a licença ambiental de 6,4 GW de propriedade da GNA.

A construção da usina GNA I começou em janeiro de 2018 e esta usina entrou em operação comercial em setembro de 2021. As duas usinas fornecerão energia para regiões como Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro dentro do Sistema Interligado Nacional.

Source: Siemens Energy


Wood estende relacionamento de longa data com a Equinor no Brasil

Wood garantiu uma extensão com a empresa internacional de energia Equinor para fornecer soluções de manutenção em todas as plataformas de cabeça de poço Peregrino (WHP) e unidade de armazenamento e descarregamento de produção flutuante (FPSO), localizada na costa do Rio de Janeiro, Brasil.

Esta é a terceira extensão de um ano concedida à equipe, com o contrato inicialmente garantido em 2015 como um compromisso de quatro anos com quatro opções adicionais de um ano para extensão. A equipe principal de Wood, composta por aproximadamente 140 pessoas, continuará a fornecer soluções de manutenção para otimizar os ativos. Enquanto Wood executa o próximo grande projeto de atualização de condição técnica (TCUP) da Equinor nos ativos de Peregrino, 500 pessoas adicionais serão mobilizadas para a equipe.

Paul Leonard, Presidente de Operações da Wood nas Américas disse: “Este último endosso é a prova do forte relacionamento que construímos com a Equinor, tendo trabalhado com o cliente desde 2009. Esta extensão de contrato solidifica nossa posição na região, demonstrando as capacidades comprovadas de Wood na entrega de soluções de energia para o Brasil.

“Estamos bem posicionados para estender nosso trabalho com a Equinor nos próximos anos, pois ela continua investindo fortemente no Brasil, com novos desenvolvimentos. Também estamos comprometidos em nos alinhar com eles em sua busca por fontes alternativas de energia, como a solar e a eólica, à medida que navegamos juntos na transição energética em direção às emissões de carbono zero. ”

Source: Wood PLC

Saipem: conquistou um novo contrato offshore para o projeto Búzios 7 no Brasil, no valor de aproximadamente 940 milhões de dólares

A Saipem fechou com a Petrobras um novo contrato SURF EPCI para a instalação de um sistema submarino com riser rígido para o projeto Búzios 7, para atender o campo do pré-sal localizado a cerca de 200 km da costa do estado do Rio de Janeiro, em lâmina d’água de cerca de 2.000 metros.

O projeto concedido à Saipem inclui a Engenharia, Aquisição, Construção e Instalação (EPCI) dos Steel Lazy Wave Risers (SLWR) e linhas de fluxo associadas que interconectam 15 poços submarinos ao FPSO junto com as linhas de serviço relacionadas e umbilicais de controle. Além disso, a Saipem também será responsável pelo fornecimento e instalação das âncoras do FPSO e pelo engate do FPSO em campo.

A Saipem usará seu FDS, seu navio de desenvolvimento de campo de última geração, para a instalação dos SLWRs. Em julho de 2020, a Saipem já havia conquistado o contrato da Petrobras para o projeto Buzios 5 de Engenharia, Aquisição, Construção e Instalação (EPCI) do Steel Lazy Wave Risers (SLWR) e linhas de fluxo associadas entre todos os poços e o FPSO.

Francesco Caio, CEO e Gerente Geral da Saipem, comentou: “Este projeto é mais uma importante evidência de um novo ciclo de investimentos e da competitividade da Saipem em projetos de alto conteúdo tecnológico. O contrato também confirma a confiança depositada na Saipem por grandes clientes como a Petrobras para a realização de projetos centrais às suas estratégias, bem como confirma a sólida posição da empresa em áreas geográficas com perspectivas de desenvolvimento significativas ”.

A Saipem é uma plataforma tecnológica e de engenharia avançada para o projeto, construção e operação de instalações e infraestruturas complexas seguras e sustentáveis. A Saipem sempre esteve orientada para a inovação tecnológica e atualmente aposta, juntamente com os seus clientes, na linha da frente da transição energética com ferramentas, tecnologias e processos cada vez mais digitalizados, pensados ​​desde o início a pensar na sustentabilidade ambiental. Está listada na Bolsa de Valores de Milão e opera em mais de 60 países ao redor do mundo com 32 mil funcionários de 130 nacionalidades diferentes.

Source: Saipem


SHELL REVELA NOVOS NEGÓCIOS DE ENERGIA NA NIGÉRIA

A empresa global de energia Shell anunciou uma nova linha de negócios na Nigéria para expandir o marketing e as vendas de gás natural para atender às crescentes necessidades de energia dos clientes atacadistas e fornecer mais soluções de energia mais limpas no país.

Com base no sucesso da Shell Nigeria Gas, a Shell Energy Nigeria visa fornecer energia competitiva e confiável para geração de energia e usuários industriais e desenvolver distribuição de gás para servir as pessoas em novas regiões.

“Em consonância com a iniciativa da ‘década do gás’ do Governo Federal, a Shell Energy Nigéria se empenhará em fornecer soluções de energia à base de gás para uma ampla gama de empresas em todo o país para ajudar a impulsionar o desenvolvimento econômico e agregar maior valor dos recursos naturais do país, ”Disse o gerente geral da Shell Energy Nigeria, Markus Hector. As soluções de gás da Shell Energy Nigeria são projetadas para fazer parceria com outras fontes de energia – incluindo energias renováveis ​​- para fornecer energia flexível e com preços competitivos, ajudando o país a fazer a transição para um sistema de energia de baixo carbono.

O novo negócio contará com a capacidade e a experiência da Shell Energy, fornecedora líder global de soluções de energia confiáveis, integradas e inovadoras de um portfólio de produtos de gás natural, energia e ambientais. Ele oferece uma seleção abrangente de soluções de energia disponíveis de um único fornecedor e possibilitadas por uma das maiores operações comerciais do setor.

O presidente nacional das empresas Shell na Nigéria, Osagie Okunbor, disse: “A Shell Energy Nigeria demonstra nosso compromisso contínuo em impulsionar o progresso, fornecendo mais soluções de energia mais limpas no país. Ele traz para a Nigéria as décadas de experiência em marketing e comércio da Shell, uma riqueza de conhecimento de mercado e sua capacidade de integrar soluções de energia para apoiar o desenvolvimento econômico na Nigéria. ”

Source: Shell


Soluções da Aker para fornecer sistema de produção submarina para o projeto Mero 4 no Brasil

A Aker Solutions recebeu um contrato substancial da Petrobras para fornecer um sistema de produção submarino e serviços relacionados para o projeto Mero 4 offshore do Brasil. Este é o quarto sistema de produção consecutivo para o desenvolvimento do campo de Mero, uma das maiores descobertas de petróleo no pré-sal do Brasil.


A empresa entregará um sistema de produção submarino que consiste em até 13 árvores submarinas verticais projetadas para o pré-sal do Brasil, incluindo unidades de distribuição submarina, módulos de controle submarinos e estação de controle mestre para sistemas de controle e topside, e equipamentos associados relacionados.

A fábrica submarina da Aker Solutions em São José dos Pinhais e sua base de serviços submarinos em Rio das Ostras realizarão a maior parte da obra. As obras começam imediatamente, com instalação prevista para ocorrer entre 2023 e 2025. “Estamos satisfeitos com a conquista de mais um contrato de sistema de produção submarino pelo Consórcio Libra, que reforça o relacionamento de longa data entre a Petrobras e a Aker Solutions. Com a execução e entrega deste novo projeto importante, esperamos apoiar a ambição da Petrobras no período pré -região salgada e contribuindo para o desenvolvimento do Brasil “, disse Maria Peralta, vice-presidente executiva e chefe de negócios submarinos da Aker Solutions.

A Aker Solutions está presente no Brasil há mais de quatro décadas e temos o compromisso de continuar prestando nossos serviços para ajudar a Petrobras a maximizar o potencial de seus campos da forma mais segura, eficiente e sustentável possível”, disse Peralta.

O campo Mero possui Contrato de Partilha de Produção com Consórcio formado pela Petrobras como Operadora (40%), em parceria com a Shell Brasil (20%), TotalEnergies (20%), CNOOC Limited (10%) e CNODC (10%) ) O Consórcio também conta com a participação da estatal Pré-Sal Petróleo SA (PPSA), como administradora do Contrato de Partilha de Produção. O contrato será registrado como entrada de pedido no quarto trimestre de 2021 no segmento Submarino.

A Aker Solutions oferece soluções integradas, produtos e serviços para a indústria global de energia. Habilitamos a produção de óleo e gás com baixo teor de carbono e desenvolvemos soluções renováveis ​​para atender às necessidades futuras de energia. Ao combinar soluções digitais inovadoras e execução de projeto previsível, aceleramos a transição para a produção de energia sustentável. A Aker Solutions emprega aproximadamente 15.000 pessoas em mais de 20 países.

Source: Aker Solutions




Yinson recebe projeto FPSO Parque das Baleias Integrado no Brasil

Yinson Holdings Berhad (“Yinson” ou o “Grupo”) recebeu duas Cartas de Intenções da Petróleo Brasileiro SA (“Petrobras”) para o afretamento, operação e manutenção do Parque das Baleias Integrado (“IPB FPSO”), para flutuante , navio de produção, armazenamento e descarga (“FPSO”) na Bacia de Campos do Norte, offshore do Brasil.


As LOIs foram emitidas para a Yinson Production Pte Ltd, uma subsidiária integral indireta da Yinson. Seguindo as LOIs, Yinson Bergenia Production BV, a subsidiária indireta incorporada na Holanda da Yinson celebrará um contrato de afretamento para o fornecimento do FPSO, enquanto a subsidiária integral incorporada no Brasil Yinson Bergenia Serviços deOpera Ltda celebrará um contrato para o ativo Operações e manutenção. O valor agregado estimado dos contratos é equivalente a US $ 5,2 bilhões. O período do contrato é de 22,5 anos a partir da data da aceitação final.

O IPB FPSO será o segundo navio da Yinson a operar em águas brasileiras, sendo o primeiro o FPSO Anna Nery, que foi concedido à Yinson pela Petrobras em outubro de 2019. O FPSO Anna Nery está atualmente em construção em Cosco Changxing, China, e a caminho de está em operação em 2023 no campo de Marlim, localizado na parte Nordeste da Bacia de Campos.

O CEO do Grupo Yinson, Lim Chern Yuan, disse que o Grupo está bem posicionado para assumir o projeto IPB FPSO, visto que fortaleceu com sucesso seus recursos, capacidade e expertise no Brasil nos últimos anos.

“O Brasil é uma região de extrema importância para a Yinson e temos o compromisso de dar o nosso melhor para contribuir com o avanço da indústria de energia do país. Estamos satisfeitos que os esforços que colocamos na construção de nossa presença no Brasil tenham criado sinergias que permitirão que nossos projetos no Brasil obtenham maior eficiência, criando maior valor para todos os nossos stakeholders ”, comentou Lim.

O CEO da Yinson Production Offshore, Flemming Grønnegaard, disse: “A equipe ganhou habilidades e experiência valiosas por meio de nossas atividades existentes no Brasil e, portanto, foi capaz de se adaptar e inovar para superar os muitos desafios trazidos pela pandemia e situação econômica global incerta. Com essa experiência, estamos mais fortes do que nunca e prontos para demonstrar mais uma vez que podemos entregar com sucesso um projeto FPSO de classe mundial. ”

Flemming acrescentou: “A Yinson e a Petrobras se comprometeram em conjunto com a implementação de um projeto de baixa emissão no FPSO IPB para mitigar os problemas mundiais de mudança climática. Juntos, estamos entusiasmados com o pioneirismo de alguns conceitos de design sustentável que acreditamos abrirão o caminho para a indústria reduzir significativamente seu impacto ambiental. ”

Source: Yinson