Moçambique: Começa construção de nova central solar

O Presidente Filipe Nyusi colocou hoje a pedra fundamental da Central de Energia Solar de Metoro no distrito de Ancuabe, província de Cabo Delgado, um projeto orçado em US $ 56 milhões (€ 47 milhões).

A planta, que deve ser concluída em nove meses, vai produzir 41 megawatts (MWp) a partir de painéis solares, o suficiente para atender as necessidades de cerca de 150 mil consumidores. Estará ligado à subestação de Electricidade de Moçambique [EDM] em Metoro, Ancuabe, sendo a apresentação do projecto divulgada aos meios de comunicação social.

As francesas Neoen e EDM são accionistas do projecto – com 75% e 25% respectivamente – com financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), com um empréstimo de $ 40 milhões (€ 34 milhões), e o restante do governo moçambicano .

De acordo com o documento de apresentação do projeto, após 25 anos a infraestrutura será entregue à EDM.

A estimativa é que a fábrica gere até 380 empregos na fase de construção e invista pelo menos US $ 60 mil anuais em projetos para as comunidades locais.

“Em 2016 foi realizada uma avaliação das necessidades e dinâmicas em Metoro e Ancuabe, e um Plano de Desenvolvimento Comunitário preliminar foi aprovado pelo Governo do Distrito de Ancuabe em junho de 2018, com enfoque na área da educação”, detalha o documento.

A central solar ficará localizada a 90 quilómetros de Pemba, capital da província de Cabo Delgado, no norte do país, junto à Estrada Nacional 1 (EN1).

O empreendimento está sendo construído em uma província que há três anos é palco de ataques armados de forças classificadas como terroristas, embora não tenha havido incursões na área onde ficará a fábrica.

A violência armada em Cabo Delgado afetou distritos localizados mais ao norte da província.

Ao todo, o governo moçambicano e as organizações de socorro, nomeadamente as agências da ONU, apontam para um total de 300.000 deslocados pelo conflito armado em Cabo Delgado.

As estimativas do número de vítimas variam de 1.000 a 2.000 vítimas.

Fonte: Lusa

Leave a Reply