Total suspende projeto de US $ 20 bilhões de GNL em Moçambique indefinidamente

A gigante energética francesa Total SE suspendeu o seu projeto de GNL em Moçambique por tempo indeterminado devido ao aumento das ameaças à segurança na área.

A decisão da Total de suspender as obras do projecto de gás natural liquefeito em Moçambique é também um golpe para o país, que poderá ver a sua economia transformada pelas exportações de energia.

A gigante energética francesa Total SE suspendeu seu projeto de gás natural liquefeito de US $ 20 bilhões em Moçambique indefinidamente devido a uma escalada de violência na área, incluindo um ataque em março por militantes ligados ao Estado Islâmico.

A decisão é um golpe para a Total, que comprou uma participação operacional no projeto por US $ 3,9 bilhões em 2019, esperando começar a exportar o combustível super-resfriado até o final de 2024. A primeira fase do projeto é projetada para produzir mais de 13 milhões toneladas de GNL por ano.

A Total estava retomando o trabalho no projeto no mês passado, depois de estar paralisado desde janeiro por causa de ameaças à segurança, quando mais de 100 rebeldes invadiram a cidade de Palma próxima ao local. Dezenas de pessoas morreram, milhões de dólares em propriedades foram danificadas e a empresa congelou imediatamente os planos de retomar o projeto.

O agravamento da situação de segurança é também um grande revés para Moçambique, que enfrenta um número crescente de mortos com centenas de milhares de pessoas deslocadas. As exportações do combustível podem ajudar a transformar a economia de uma das nações mais pobres do mundo.

A recente violência no norte da província de Cabo Delgado “leva a Total, como operadora do projecto Mozambique LNG, a declarar força maior”, disse a empresa em comunicado esta segunda-feira. Essa é “a única maneira de proteger melhor os interesses do projeto, até que o trabalho possa ser retomado”. O project finance continua em vigor e “o Mozambique LNG concordou com os credores em pausar temporariamente o levantamento da dívida”, disse a Total.

A força maior dá à Total “bastante espaço para respirar” junto das construtoras e compradores do gás, ao mesmo tempo que aumenta a pressão sobre o governo moçambicano para resolver a situação de segurança, disse Darias Jonker, director para África do Eurasia Group. Isso exigirá o envolvimento da comunidade, bem como recursos de inteligência para remover a insurgência, disse ele. “No geral, a trajetória de queda da situação continua.”

Força maior é uma disposição que permite às partes suspender ou encerrar contratos devido a eventos que estão além de seu controle, como guerras ou desastres naturais.

Contratos Suspensos
Os contratos para as actividades do local foram temporariamente suspensos, incluindo o da CCS JV, uma joint venture entre a McDermott International Ltd., a Saipem SpA e a Chiyoda Corp., disse Carlos Zacarias, presidente do Instituto Nacional do Petróleo de Moçambique, numa conferência de imprensa em Maputo. Alguns dos acordos podem ser rescindidos dependendo de quanto tempo o trabalho está atrasado.

O projeto ganhou impulso quando a Total adquiriu a participação da operadora da Anadarko Petroleum Corp., há dois anos. A empresa estava progredindo nas primeiras obras, incluindo um aeroporto e acomodações para os trabalhadores. Simultaneamente, uma insurgência estava crescendo na província de Cabo Delgado.

O estado moçambicano esperava colher quase $ 100 bilhões em receitas em 25 anos de projetos de GNL. Atrasos anteriores já fizeram com que o Fundo Monetário Internacional reduzisse suas previsões de crescimento econômico para o país.

Os rendimentos dos Eurobonds de $ 900 milhões de Moçambique com vencimento em 2031 aumentaram cinco pontos base na segunda-feira para 10,47%, ampliando o prêmio de risco soberano do país sobre os títulos do Tesouro dos EUA em sete pontos base.

Source: www-aljazeera-com.cdn.ampproject.org

Leave a Reply