Total de acessos congelam GNL de Moçambique

A Total declarou força maior no seu projeto de GNL em Moçambique, citando a insegurança local.

A Total declarou força maior em seu projeto Mozambique LNG, citando a insegurança local.

A empresa francesa disse que retirou todo o seu pessoal do local de Afungi. Como tal, declarou oficialmente a paralisação.

A mudança segue-se a um ataque terrorista à cidade vizinha de Palma, em 24 de março. O ataque durou alguns dias e matou várias pessoas, tanto locais como expatriados.

A Total disse manifestar solidariedade para com o governo e o povo moçambicano. Em seguida, disse que espera que as acções empreendidas pelo governo, e seus parceiros, “permitam o restabelecimento da segurança e estabilidade na província de Cabo Delgado de forma sustentada”.

O ataque veio exatamente quando Total havia dito que voltaria ao trabalho. Isso colocou as coisas em pausa no início do ano, em face da crescente insurgência.

A decisão da empresa não é uma surpresa. Nas últimas semanas, surgiram vários relatórios de rescisão total de contratos.

A mídia local relatou algumas preocupações sobre o saque de equipamentos das forças de segurança no local de Afungi.

A empresa francesa é a operadora do Mozambique LNG com uma participação de 26,5%. A ENH Rovuma Área Um detém 15%. As empresas japonesas, indianas e tailandesas detêm o patrimônio restante.

Moçambique parece não ter capacidade para enfrentar os problemas terroristas locais por conta própria. Parece cada vez mais provável que alguma resposta internacional seja necessária, liderada inicialmente pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Este último grupo declarou que investigaria o problema de Cabo Delgado numa reunião de 8 de abril, convocada em resposta ao ataque. A SADC reunir-se-á novamente nos dias 28 e 29 de abril.

Os EUA destacaram um pequeno grupo de treinadores militares, assim como Portugal.

Source: www.energyvoice.com

Leave a Reply