Moçambique não sabe da Exxon, Total fala sobre acordo de compartilhamento de recursos de GNL

O Instituto Nacional do Petróleo de Moçambique disse na sexta-feira que ainda não foi notificado de qualquer intenção da ExxonMobil e da Total de renegociar um acordo de partilha de recursos para os seus enormes projectos de GNL no país.

A Reuters relatou no início desta semana que as duas grandes petrolíferas estavam em conversações para aumentar a quantidade de gás que podem extrair de um campo compartilhado que abrange seus dois empreendimentos de gás natural liquefeito (GNL), no valor combinado de US $ 50 bilhões, lance para cortar custos.

Qualquer alteração ao acordo de partilha de recursos – ou “unitização” – que rege a quantidade de gás que cada um pode extrair tem de ser aprovada pelas autoridades moçambicanas.

Em resposta a perguntas enviadas por e-mail sobre o assunto, Carlos Zacarias, presidente do INP, o órgão que rege o desenvolvimento energético de Moçambique, disse que “ainda não foi notificado” das conversações das petrolíferas sobre o acordo, e não foi neste momento parte em quaisquer discussões.

“Pode ser necessário avaliar e ver como (as alterações ao acordo) teriam impacto na duração do projecto, mas é claro que o aumento da produção com pouco ou nenhum investimento adicional deverá significar mais receitas para o estado moçambicano,” disse.

A Reuters também informou que não se esperava que a Exxon tomasse uma decisão final de investimento para seu projeto até o início de 2022. O prazo era para este ano, mas foi adiado em abril, e o governo de Moçambique disse que antecipou isso no próximo ano.

“O FID é decidido pelas concessionárias, quando as condições de mercado são criadas”, disse Zacarias. “Porém, o atraso na decisão pode atrasar o início do projeto, o que não é desejável.”

Fonte: Reuters

Leave a Reply