Comité de Energia Rússia-África para impulsionar investimento e negociação no sector da energia.

A conferência interpartidária online chamou a atenção para a evolução do mercado energético africano, navegando as relações no continente para as parcerias Rússia-África e destacando o anúncio da criação do Comité de Energia Rússia-África com o objetivo de desenvolver energia limpa e um quadro estratégico para a crise energética do continente.

Embora a agenda do Partido Rússia Unida vise aumentar a presença russa no continente, os presidentes e delegados de toda a África puderam abordar os desafios económicos dos seus países, os avanços tecnológicos e declarar um apelo à produção de vacinas em África e distribuídos aos trabalhadores da linha da frente dos trabalhadores da saúde e da energia que trabalham em offshore, em terra e em serviços públicos.

“A atenção tem de estar focada em afastar-se do MOU’s com empresas africanas para fechar negócios. A Rússia pode desempenhar um papel importante no financiamento de projetos energéticos e desenvolvimento de gás em Moçambique, Senegal, Tanzânia, Nigéria e outros países. As empresas russas que trabalham na formação e construção de infraestruturas logísticas podem ser um caminho para a construção de um forte quadro de conteúdos locais que impulsione o nosso setor energético”, afirmou NJ Ayuk, Presidente Executivo da Câmara de Energia Africana.

A Rússia continua a ser um poderoso ator no mercado global da energia, uma vez que suscitou preocupações sobre a forma como as relações Rússia-África podem criar relações fortes para apoiar um ambiente favorável, juntamente com o papel de África na implementação de soluções inteligentes inovadoras para um mundo pós-COVID-19 e garantir um mix energético sustentável e diversificado.

“Vamos criar um Comité Especial de Energia Rússia-África com o nosso conselho consultivo para nos concentrarmos no desenvolvimento de projetos energéticos e nos acordos de encerramento. Muitos jovens na Rússia e em África querem resultados e não falam. Temos de olhar para o espelho da relação russo-áfrica. Temos de refletir não só o que vemos, mas corrigir o que vemos”, concluiu Ayuk.

Em toda a África, novos sistemas e redes podem ser projetados em torno de futuros stresses ambientais e exigências energéticas sem considerar as limitações de infraestruturas antigas. Com o uso avançado da tecnologia móvel em África e a falta de redes de transmissão de eletricidade existentes, estes desenvolvimentos permitem às comunidades em África ter acesso ao poder saltando o modelo tradicional de geração centralizada e transmissão de energia.

Distribuído pelo Grupo APO em nome da Câmara De Energia Africana.

Source: africanews

Leave a Reply