“Voltaremos”, disse o presidente da Total após reunião com Nyusi em Paris

O presidente e CEO da Total, Patrick Pouyanné, garantiu ao presidente moçambicano, Filipe Nyusi, que a petrolífera irá retomar as actividades em Moçambique assim que a segurança for restaurada, informa a VOA Portugues.

“Na verdade, estamos trabalhando. Houve este incidente em Palma, província de Cabo Delgado, que é uma questão de segurança. Mas, quero garantir que tenhamos que tomar medidas de segurança. O nosso compromisso continua ”, disse Patrick Pouyanné, em declarações a jornalistas moçambicanos após o encontro entre ele e o Presidente Filipe Nyusi na segunda-feira (17-05), em Paris.

Leia também: Projeto de GNL de Moçambique da Total para o centro das atenções na Cúpula Econômica França-África – Câmara Africana de Energia
“Vamos regressar e temos plena confiança que o Governo de Moçambique está a trabalhar e será capaz de restabelecer a segurança, e estaremos lá”, sublinhou Pouyanné, justificando a suspensão das actividades e a retirada do seu funcionários por motivos de segurança, dizendo que “nós somos pela segurança, especialmente a segurança das pessoas”.

Em resposta a perguntas de jornalistas, o chefe da Total negou rumores de que a empresa estava a considerar abandonar o projecto de gás natural de 20 mil milhões de dólares em Cabo Delgado.

“A Total continua comprometida com o seu projeto em Moçambique. O gás natural está em grande demanda. Para o planeta, é uma energia importante; é uma prioridade, por isso continuamos comprometidos ”, afirmou.

O Presidente Filipe Nyusi não se pronunciou após o encontro, mas o assunto deverá ser o tema central das conversações com o seu homólogo francês, Emmanuel Macron.
A imprensa francesa, citando fontes do Palácio do Eliseu, diz que Macron irá propor que tropas francesas sejam destacadas para o terreno a fim de garantir a segurança do investimento multimilionário.

Suspensão de atividades

Um mês após o ataque de 24 de março à aldeia de Palma, a Total confirmou a 26 de abril que retirou todo o seu pessoal da província de Cabo Delgado, no norte, “por motivos de força maior”.

“Atendendo à evolução da situação da segurança na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, a Total confirma a retirada de todo o pessoal do projecto Mozambique LNG, do sítio de Afungi”, disse o gigante da energia em comunicado, acrescentando: “Este situação leva a Total, como operadora do projeto Moçambique LNG, a declarar ‘força maior’. ”

A empresa reiterou no entanto “a sua solidariedade para com o governo e povo de Moçambique, e deseja que as acções desenvolvidas pelo Governo de Moçambique e seus parceiros regionais e internacionais permitam o restabelecimento da segurança e estabilidade na província de Cabo Delgado de forma sustentada ”.

Source: clubofmozambique.com

Leave a Reply