Total evacua trabalhadores do projeto de Moçambique após ataque

A gigante petrolífera francesa Total SE está a evacuar a maioria dos restantes funcionários do seu projeto de gás natural liquefeito no norte de Moçambique, quando os insurgentes atacaram uma cidade próxima, lançando o maior investimento privado de África em desordem.

A nova violência que se seguiu aos ataques na viragem do ano sugere que as forças armadas de Moçambique estão a lutar para recuperar o controlo da região em torno do projeto de 20 mil milhões de dólares. A Total, que comprou uma participação de 26,5% no desenvolvimento do GNL por 3,9 mil milhões de dólares em 2019, disse que quer que a segurança seja restabelecida na área antes de retomar os trabalhos em terra com o objetivo de iniciar os carregamentos de gás em 2024.

A Total decidiu reduzir ao mínimo a força de trabalho no sítio Afungi, informou a empresa sediada perto de Paris em comunicado, sábado. O reinício dos trabalhos que estava previsto no início da semana também será suspenso, adiantou.

O gigante da energia disse que “confia” no governo, cujas forças de segurança “estão neste momento a trabalhar” para recuperar o controlo da área. Não houve vítimas entre os funcionários do projeto, adiantou a Total.

A retirada surge quando militantes atacaram um comboio de segurança que tentava resgatar mais de 180 pessoas que estavam cercadas num hotel perto do local do projeto, de acordo com três pessoas familiarizadas com o assunto.

Mais de uma dezena de veículos foram emboscados na sexta-feira durante uma operação para evacuar as pessoas do Hotel Amarula Palma, e apenas sete veículos conseguiram escapar, disseram duas das pessoas. Enquanto cerca de 100 fugiram para a praia, muitos são temidos mortos, de acordo com uma pessoa. Os militantes, que já se alinharam com o Estado Islâmico, ainda estavam ativos na cidade de Palma, no sábado de manhã, disseram.

O último ataque começou em 24 de março, no mesmo dia em que a Total anunciou que iria retomar as obras em terra no seu projeto, depois de os combates no final de dezembro terem levado a empresa a evacuar os funcionários.

O ataque em curso em Palma, a menos de 8 quilómetros do campo da Total e onde estão sediadas várias empresas subcontratadas, pode ser um momento de cisão na insurreição que ameaça atenuar mais investimentos estrangeiros na região. A rebelião iniciada em 2017 deixou mais de 2.600 pessoas mortas e causou mais de 700.000 a fugir das suas casas.

A Human Rights Watch disse que havia corpos nas ruas de Palma, com os moradores a fugirem depois de os assaltantes terem disparado indiscriminadamente.

Source: Bloomberg

Leave a Reply