Total da França fecha fábrica de gás após atentados em Moçambique

A gigante francesa de energia Total fechou suas operações e retirou todos os funcionários de um local no norte de Moçambique após o ataque jihadista mortal na semana passada na área, disseram fontes de segurança na sexta-feira. “O total desapareceu”, disse uma fonte de segurança em Maputo à AFP, acrescentando que “será difícil persuadi-los a regressar” este ano. E uma fonte militar acrescentou, “todas as instalações estão abandonadas. “A Total decidiu evacuar todos os seus funcionários”, depois que a vigilância do drone mostrou que os insurgentes estavam em áreas “muito próximas” da planta de gás em Afungi. Outra fonte confirmou que havia relatos de que os insurgentes não estavam longe do local.

A península de Afungi fica a apenas 10 quilômetros da cidade de Palma, que foi atacada há mais de uma semana, resultando na morte de dezenas de pessoas, incluindo pelo menos dois trabalhadores expatriados. O ataque descarado de 24 de março foi o último de uma série de mais de 830 ataques organizados por militantes islâmicos nos últimos três anos, durante os quais morreram mais de 2.600 pessoas. A Total já havia evacuado alguns funcionários e suspendido as obras no final de dezembro, após uma série de ataques violentos perto de seu complexo. Mas o ataque da semana passada é visto como a maior escalada da insurgência islâmica que assola a província de Cabo Delgado desde 2017. Segurança comprometida Muitos civis sobreviventes fugiram de suas casas em massa em direção à usina de gás fortemente protegida. Estima-se que 15.000 pessoas se reuniram perto do local, enquanto mais ainda estão chegando e “a segurança está comprometida”, disse outra fonte. A situação humanitária “continua a se deteriorar”, acrescentou a fonte

A limpeza da Total ocorreu quando o comandante do Exército de Afungi, Chongo Vidigal, declarou na quinta-feira que o projeto de gás estava “protegido”. “Estamos atualmente na área especial em Afungi e nunca tivemos uma ameaça de terrorismo”, disse ele. A Total não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários. A maioria dos meios de comunicação foi cortada depois que o ataque de Palma começou. Milhares de soldados foram destacados para Cabo Delgado, mas a capacidade de Moçambique para combater a insurgência há muito que é questionada, com analistas a apontar para a formação deficiente e falta de equipamento. As forças de segurança do governo também são apoiadas por uma empresa militar privada sul-africana, o Dyck Advisory Group (DAG). A Total e seus parceiros planejavam investir US $ 20 bilhões no projeto, a maior quantia já feita para um projeto na África. Em fevereiro, o presidente-executivo da Total, Patrick Pouyanne, insistiu que o projeto, que herdou da empresa de energia norte-americana Anadarko, ainda estava em vias de iniciar as operações em 2024.

Disse isto tendo chegado a acordo com o presidente moçambicano Filipe Nyusi para a criação de uma zona de segurança de raio de 25 quilómetros à volta do local. Mas, na semana passada, os jihadistas atacaram, a apenas 10 quilômetros do complexo, e supostamente decapitaram os residentes e saquearam edifícios na última agitação. Centenas, incluindo muitos trabalhadores estrangeiros, foram evacuados por ar e mar, enquanto milhares de habitantes locais caminharam para um local seguro. A ONU disse que registrou pelo menos 9.100 pessoas deslocadas internamente pela violência mais recente. A violência tirou quase 700.000 pessoas de suas casas desde outubro de 2017. Os jihadistas de Cabo Delgado espalharam o caos por toda a província com o objetivo de estabelecer um califado. Os insurgentes são filiados ao grupo do Estado Islâmico, que reivindicou o ataque de Palma.

Source: AFP

Leave a Reply