O projeto, no valor de US $ 20 bilhões (17,5 bilhões de euros), é o maior investimento privado em andamento na África.

“Os custos do projeto serão financiados através de uma combinação de capital e empréstimos”, afirma o BAD.

Os empréstimos que o consórcio da Área 1 tem assinado nas últimas semanas com financiadores totalizam US $ 16 bilhões (€ 14 bilhões), dos quais o BAD está contribuindo com US $ 400.000 (€ 350.000).

Várias agências de crédito à exportação participam da operação, como o norte-americano US-EXIM, o banco japonês JBIC, o britânico UKEF, o tailandês EXIM da Tailândia, o japonês NEXI, o SACE da Itália, o sul-africano ECIC, o Atradius da Holanda e outros bancos comerciais.

“O investimento do BAD na Área 1 representa o maior investimento do banco em financiamento de projetos na África”, acrescenta Mukhtar.

O diretor geral da Total em Moçambique, Ronan Bescond, há um mês chamou o fechamento do projeto financeiro na situação atual de “um feito memorável”.

A companhia petrolífera francesa está mantendo até 2024 o prazo para a primeira entrega de GNL. A produção total de 13,12 milhões de toneladas por ano deverá ser alcançada em 2025.

O consórcio já fechou contratos de vendas principalmente com mercados asiáticos (China, Japão, Índia, Tailândia e Indonésia), mas também europeus, através da Electricity of France, Shell e a britânica Centric.

A Total lidera o consórcio da Área 1 com 26,5%, ao lado da japonesa Mitsui (20%) e da estatal moçambicana ENH (15%), com participação adicional da ONG indiana Videsh (10%) e sua subsidiária Beas (10). %), Bharat Petro Resources (10%) e Thai PTTEP (8,5%).

Fonte: Lusa

Leave a Reply