EDP ​​financia sete projetos de energia solar em cinco países africanos

Vários projetos de energia sustentável e limpa receberão um financiamento total de meio milhão de euros através do Fundo A2E. As iniciativas podem beneficiar mais de 30.000 pessoas.

A energia solar é um elemento comum nos sete projectos que a EDP, através do Fundo A2E (Acesso à Energia), vai apoiar em cinco países de África: Angola, Moçambique, Nigéria, Ruanda e Malawi. Desde sistemas de refrigeração de pescado e fruta nos mercados locais à electrificação de escolas e postos de saúde, ou ao fornecimento de tecnologias que possibilitem a dessalinização da água, todos os projectos assentam na mesma fonte de energia renovável: o sol.

As propostas seleccionadas nesta terceira edição do fundo – de um total de 115 candidaturas – contam agora com um financiamento global de meio milhão de euros, com o qual a EDP pretende promover o acesso a energias limpas em regiões remotas e carenciadas, ajudando assim a combater pobreza energética nesses territórios. Como nas edições anteriores, o Fundo A2E investe em iniciativas em cinco áreas prioritárias – educação, saúde, agricultura, empresas e comunidade – e valoriza critérios de avaliação como impacto social, parcerias, sustentabilidade, potencial de expansão e viabilidade financeira.

Moçambique e Nigéria são os países com mais projetos nesta edição, dois cada. No primeiro caso, os projetos a serem financiados são da Luwire Wildlife Conservancy, que prevê a criação de um sistema solar para abastecer os serviços básicos da população local e irrigação de campos agrícolas, e o Viva con Agua, de Sankt Pauli, que pretende para dar acesso à água potável por meio da tecnologia de dessalinização. No caso da Nigéria, ambas as propostas envolvem sistemas de refrigeração: Koolboks quer instalá-los em oito mercados para vendedores de peixe na área de Lagos e ColdHubs planeja criá-los para apoiar uma comunidade de mulheres agricultoras.

OffGridBox é o projeto que será financiado em Ruanda e visa fornecer energia e água potável a seis campos de refugiados. A ADDP Angola quer abandonar os geradores a diesel, substituindo-os por um sistema de energia renovável para abastecer escolas. Finalmente, o projeto DAAP Malawi tem como objetivo direto o abastecimento de uma escola profissional com eletricidade a partir de uma plataforma solar.

O Fundo A2E dá assim continuidade ao programa iniciado em 2018 que já contribuiu com um total de um milhão de euros para 13 projetos que ajudaram a melhorar a vida de 65 mil pessoas e, indiretamente, de cerca de um milhão. Cada um dos projectos desta nova edição recebeu entre 25 mil e 100 mil euros, estimando-se que o seu desenvolvimento possa ter um impacto positivo direto na vida de 16 mil pessoas e também beneficiar indiretamente mais de 15 mil pessoas nestes territórios.

Com esta iniciativa, a EDP reforça o seu compromisso com a sustentabilidade do planeta, as energias renováveis ​​e a necessidade de combater a pobreza e a escassez de energia elétrica que ainda afetam a vida de milhões de pessoas, especialmente em comunidades rurais remotas e pobres de países em desenvolvimento. Assim, apoiar estes projetos é um contributo decisivo para garantir um futuro mais sustentável, inclusivo e justo, em linha com a ambição da própria empresa de ser totalmente verde até 2030 e de reforçar o seu compromisso com a sociedade.

A missão de cada projeto
• Chama-se OffGridBox e tem como objetivo fornecer energia e água potável a seis campos de refugiados em Ruanda. O projeto envolve a instalação de uma ‘caixa’ em cada uma dessas comunidades que inclui kits de baterias solares, iluminação LED, um carregador de telefone e um recipiente para coletar água purificada. Através deste sistema, seus usuários poderão realizar tarefas básicas do dia-a-dia e também apoiar outras atividades produtivas. Estima-se que o projeto beneficiará pelo menos 12.000 pessoas.

• O acesso à água limpa e potável é uma das dificuldades que o projeto Viva con Agua, em Sankt Pauli, espera superar com uma tecnologia de dessalinização de água movida a energia solar. Concebido para beneficiar cerca de 350 famílias da região moçambicana de Catuane – e, em particular, a escola primária da comunidade – este sistema permitirá a 750 alunos receber água potável gratuita e outras 750 pessoas a adquiri-la a preços acessíveis.

• O foco principal da Luwire Wildlife Conservancy é melhorar a qualidade de vida, educação, agricultura e nutrição de uma comunidade na região de Niassa em Moçambique. O projeto visa criar uma infraestrutura básica de energia solar que atenda a escola, posto de saúde, sistema de irrigação agrícola e também permita melhor iluminação e facilite o carregamento de equipamentos, desde simples telefones celulares até sistemas de purificação de água ou preservação de medicamentos e vacinas. Pelo menos 380 pessoas serão impactadas diretamente por essa iniciativa.

Os vendedores nos mercados da região de Lagos, Nigéria, perdem cerca de 30% do pescado devido à falta de condições adequadas para conservar os produtos frescos. Este é o desafio que o projeto Koolboks pretende superar com a criação de um sistema de refrigeração que auxilie a atividade dessas mulheres: no total, 150 refrigeradores solares Koolhome estão previstos para serem instalados em oito mercados, impactando cerca de 120 vendedoras. Além do peixe, outros produtos perecíveis, como carne ou vegetais, podem ser mantidos em segurança com este sistema.

• Um dos objetivos do ColdHubsproject na Nigéria é evitar o desperdício de alimentos porque não há sistemas de refrigeração. Com esse sistema, as mulheres que comercializam produtos in natura (como frutas ou verduras) poderão prolongar a vida útil desses alimentos de dois para 21 dias, garantindo assim produtos mais seguros e melhoria nas condições e resultados do próprio negócio. Os sistemas de refrigeração a serem criados são movidos a energia solar e impactam diretamente a atividade de 300 agricultores e pequenos comerciantes.

• O projecto da ADDP Angola tem como missão substituir os geradores a gasóleo, altamente poluentes e de custos muito elevados, por um sistema de energias renováveis ​​para abastecer duas escolas em comunidades das províncias do Bié e do Cubango. Com a instalação de sistemas solares nestas áreas rurais, cerca de 420 crianças terão acesso a melhores (e mais longas) condições de ensino. Sessões de treinamento sobre como manter e gerenciar esses sistemas de energia também estão planejadas.

• O projeto DAAP Malawi pretende criar um sistema de energia solar para abastecer uma escola de formação profissional com cerca de 500 alunos. Isso resultará no aumento da carga horária escolar (mesmo quando não há mais luz natural) e na facilitação do acesso à internet, o que é um fator adicional de motivação para os alunos. Além disso, a escola também oferecerá treinamento na área de energia e eletrificação. Os beneficiários diretos deste projeto são cerca de mil, mas indiretamente pode impactar 10.000 pessoas na região de Mikolongwe.

Source: www.edp.com

Leave a Reply