Tag: Azule Energy

Saipem recebeu contrato de US$ 850 milhões da Azule Energy para o projeto offshore de Ndungu Field

A Saipem recebeu um novo contrato offshore da Azule Energy Angola S.p.A., subsidiária da Azule Energy Holdings Limited, uma joint venture constituída entre a Eni e a bp, para o desenvolvimento do Campo de Ndungu como parte do Projeto Agogo Integrated West Hub, localizado a aproximadamente 180 km ao largo da costa de Angola. O valor do contrato ronda os 850 milhões de dólares.

O escopo de trabalho da Saipem envolve a engenharia, fabricação, transporte e instalação de aproximadamente 60 km de dutos rígidos e de instalações submarinas a uma profundidade de cerca de 1.100 metros, e o transporte e instalação de linhas de fluxo flexíveis, jumpers e 17 km de umbilicais. As atividades de fabricação serão executadas no estaleiro da Saipem em Ambriz, em Angola. Para a campanha de instalação offshore a Saipem espera implantar seu navio FDS, para as atividades de transporte e colocação dos dutos rígidos.

A adjudicação deste importante projecto consolida ainda mais o posicionamento da Saipem em Angola, tanto em águas profundas como em águas rasas, através do fornecimento de soluções inovadoras e eficientes para reduzir os tempos de instalação.

Nos termos do artigo 6.º do Regulamento Consob sobre transações com partes relacionadas, informa-se que este contrato se qualifica como uma transação com partes relacionadas – por ser realizada com uma subsidiária de uma joint venture do grupo Eni – “de maior importância” e que , como uma “operação normal e realizada em condições equivalentes de mercado ou normais”, beneficia de exclusão nos termos do artigo 13.º, n.º 3, alínea c), do Regulamento Consob sobre transações com partes relacionadas e do artigo 8.2, alínea c) do Diretrizes do Sistema de Gestão da Saipem “Transações com Partes Relacionadas e Partes de Interesse”.

Source: Saipem

Azule Energy e Rhino Resources anunciam acordo estratégico de farm-in para o bloco 2914A (PEL85) na Namíbia

A Azule Energy, uma joint venture entre a BP e a Eni, anunciou um acordo farm-in com a Rhino Resources Namibia para uma participação significativa num bloco petrolífero offshore.

O negócio, quando concluído, concederá à Azule uma participação de 42,5% no Bloco 2914A (PEL 85), situado na prolífica bacia de Orange, ao largo da Namíbia, que tem sido palco de várias grandes descobertas de petróleo desde 2022.

O atual grupo contratante do bloco inclui a Rhino Resources como operadora com uma participação de 85%, a National Petroleum Corporation of Namibia (NAMCOR) detém uma participação de 10% enquanto a empresa local Korres Investments detém os restantes 5% da participação.

De acordo com os termos do acordo, as empresas planejam perfurar dois poços de exploração de alto impacto na área, com previsão de início do primeiro poço até o final de 2024.

Além disso, a Azule Energy tem a opção de se tornar a operadora do PEL 85, dependendo das aprovações habituais das autoridades namibianas e das partes da joint venture.

O CEO da Azule Energy, Adriano Mangini, disse: “Nossa entrada no offshore da Namíbia representa um marco significativo para a Azule. Estamos entusiasmados por entrar nesta região de hidrocarbonetos altamente prospectiva e por participar no desbloqueio do potencial de petróleo e gás da Namíbia.

“Este empreendimento está alinhado com a visão da Azule Energy de se tornar um líder regional na exploração de energia e sublinha a sua dedicação ao desenvolvimento seguro e confiável de recursos.”

O CEO da Rhino Resources, Travis Smithard, disse: “A assinatura deste acordo estabelece as bases para uma nova parceria estratégica entre a Rhino e a Azule. Esta parceria baseia-se num esforço mútuo para acelerar a exploração do bloco com o objectivo de desenvolver o potencial de hidrocarbonetos no mais curto espaço de tempo possível.

“Acreditamos que as capacidades únicas da Azule de rápida implantação de recursos técnicos e financeiros complementarão os nossos objectivos de criação de valor, para o benefício de todas as partes interessadas da Namíbia.”

Source: Offshore Technology